A TVI e o debate da “Direita”

Sei que já passaram alguns dias mas escrevo hoje sobre algo que se passou na TVI (a que alguns chamaram debate) para discutir o estado da “Direita” política em Portugal.

Falar deste assunto é por diversos motivos um embaraço, não para mim, mas desde logo para o próprio canal televisivo visado que voltou a mostrar que os seus critérios editoriais poderão ser (a meu ver) tudo menos imparciais. Até porque, e aí já não é somente embaraçoso mas ridículo, é caricato debater-se o estado da Direita portuguesa quando PSD, CDS-PP e IL, são tudo menos partidos de Direita. No máximo dos máximos, e já com boa vontade, serão a Direita da Esquerda.

O PSD é hoje assumidamente um partido de centro-esquerda como de resto o seu próprio presidente já por diversas vezes deu a entender ou assumiu;

O CDS-PP é um partido ainda com algumas personalidades de Direita, verdade, mas desde que Assunção Cristas passou a liderá-lo só lhe dá jeito sê-lo em eleições. Fora delas, Direita, nem vê-la;  

O IL, pese embora a simpatia que tenho por Cotrim de Figueiredo, genuína, nem aquece nem arrefece. É um partido “copinho de leite” e de “copinhos de leite” está Portugal, farto!

Isto para dizer que o verdadeiro /único partido de Direita português se chama CHEGA, que deveria ter sido convidado a estar presente no debate e não foi, e que mesmo sem estar presente foi o principal tema de conversa sobre a mesa. Só isto é clarificador!

Mas sigamos porque analisando os partidos temos de analisar os representantes presentes. Ora convenhamos que por muito respeito que os oradores presentes mereçam, e merecem, e por eles o tenho, entregar um debate destes a Miguel Morgado (que além de um movimento nada se lhe conhece), a Guimarães Pinto (que criou um partido mas nem se conseguiu fazer eleger), e a outro, como se chama mesmo? Francisco Mendes da Silva? É do CDS? (Fraca figura e nitidamente ressabiado com o CHEGA) é capaz de ser apenas medíocre.

Para debater o estado da Direita, todos deveriam ter começado por questionar:

Porque chegou a Direita portuguesa ao ponto em que se encontra?

Resposta: Porque PSD e CDS foram uns perfeitos incompetentes no papel que deveriam ter tido e não tiveram. O que significa que Morgado (e lá o outro) foram incapazes de contribuir para que assim não fosse, o que os torna igualmente incompetentes. Mas disso nenhum deles falou e Morgado preferiu começar o debate falando (desdenhosamente) do CHEGA.

Mas já que falou do CHEGA, deveria então ter perguntado: Porque apareceu o CHEGA?

Resposta: O CHEGA apareceu, não só mas também, para dar voz a todos quantos PSD e CDS traíram e/ou abandonaram. Por eles e pelo Portugal que abandonaram às mãos dos esquerdóides. Portanto, não sei o que é que PSD e CDS ainda não perceberam, mas se quiserem eu faço-lhes um desenho.

Guimarães Pinto disse depois que não se distingue o PSD do CDS e estes do PS. É verdade. Concordo. Mas e o IL? Distingue-se deles nalguma coisa? Só se for nos outdoors (óptimos) porque de resto, perdoem-me, é o tal partido “copinho de leite” que só é de Direita no cómodo. Quando a coisa aperta, “não me toquem que me desafinam”. Nunca passarão de um micropartido indexado a uma franja de elites económicas e financeiras tão residuais que não espelham o país real.

E aí, verdade seja dita, concordo com o que o outro do CDS disse ao considerar que noutro país deveriam estar todos no mesmo partido. E deveriam. Deveriam porque são todos iguais. Todos iguais e todos, uma nulidade. Pelo menos enquanto “Direita”.

Mas o pior foi quando este pseudo conservador de pacotilha deu a entender que a TVI tinha feito muito bem em não convidar o CHEGA porque o CHEGA não fazia parte do assunto em causa. Ora bem, como disse antes eu gosto de respeitar as pessoas, mas a esta pessoa, por culpa dela, tenho que lhe chamar pateta.

Qual é a moral de alguém que ao acusar outro partido de ser de extrema-direita e de, portanto, nessa lógica, ser um partido antidemocrático, considerar ele mesmo que o partido que antes criticou foi muito bem excluído de um debate? Bela democracia! Aquela que dizem defender e o CHEGA não, não é? Grande “Amélia”! Sim, Senhor.

Um individuo que em minha opinião, além de não saber o que é a Direita, não soube/sabe ser de Direita, nunca soube/sabe ajudar o seu partido a ter sido/ser de Direita, mas que quer agora mostrar a quem o é, como deve fazer para sê-lo. Anedótico.

Pergunto: Mas são estes senhores tão inteligentes, tão astutos, tão intelectualmente superiores ao CHEGA e a André Ventura, e nunca foram capazes de catapultar os seus partidos ao patamar que tanto lhes apregoam pertencer ou sair deles e criar um tão forte como o CHEGA? É estranho! É muito estranho.

Disseram que a Direita não tem um líder agregador. Tem, tem! Agora Tem! Chama-se André Ventura. E aquilo que PSD, CDS, IL, e todos estes génios têm que perceber é que só há quatro formas da Direita voltar a governar Portugal:

A primeira (impossível) é com uma maioria absoluta de PSD, CDS ou de PSD+CDS;

A segunda (que André Ventura já disse, e muito bem, não lhe agradar) através da vitória de um destes partidos sem maioria e que independentemente dos que se lhe juntassem só atingiria a maioria parlamentar com a presença do CHEGA no elenco governamental;

A terceira (imaginável) através de uma vitória do CHEGA sem maioria, em que o próprio CHEGA iria buscar alguém da “Direita” para governar consigo mas sob as suas ordens;

A quarta (possível e desejável) através de uma maioria absoluta do CHEGA;

Para lá disto, acabou. Deixem-se, portanto, de debates e filosofias de treta porque a equação é bem mais fácil de fazer. Acordem, capacitem-se da realidade e de nada vale as televisões não chamarem o CHEGA ou André Ventura para os debates ou programas.

 Essa lei da rolha só dura até às próximas eleições legislativas. Aí, quando o CHEGA em vez de 1 deputado tiver, pelas sondagens que têm saído, pelo menos uns 15, não vai haver lei da rolha que vos valha. Ou então têm de se assumir antidemocráticos de vez.

Porque se não são, têm pelo menos sido.

Rodrigo Alves Taxa

Assessor jurídico do Gabinete Parlamentar do Partido CHEGA