Bem-vindos a 2021, o Ano Ventura!

Eleições Presidenciais de 2021

O Meu Diário de Voto em André Ventura por Gabriel Mithá Ribeiro

Leia diariamente nesta página textos, excertos ou frases destinados a resgatar os portugueses da alienação mental imposta pelas elites jornalísticas, académicas, intelectuais, políticas ou artísticas de um regime falido. Contra ele, André Ventura e o CHEGA fazem germinar uma força moral e cívica imparável que fará nascer a IV República Portuguesa. 

Admitamos a possibilidade formal, nunca de substância, de separar a inseparável ação (visível e imediata) do pensamento (invisível, profundo, de longo prazo). É a forma de explicar o tempo político que vivemos.

Desde 2019, as sementes da ação reformista têm sido corporizadas por André Ventura e estão a germinar com vigor acrescido na campanha em curso para as presidenciais. Por seu lado, as sementes de pensamento reformista têm sido corporizadas, na vida política, pela orgânica interna do Partido CHEGA refletidas nos documentos programáticos e estratégicos elaborados desde a sua fundação, assim como nas publicações recorrentes feitas nos meios de divulgação próprios do CHEGA (como este site) ou individuais, como o caso notável de João Tilly nas redes sociais.

Se ao nível da ação, o lado prático ou falado, as barreiras impostas pelo regime vão sendo quebradas pela inteligência, habilidade, frontalidade, coragem e força mobilizadora da liderança de André Ventura, é ao nível do pensamento, o lado teórico ou escrito, que desespera, como pão para a boca, da possibilidade de afirmação além do Partido, na grande opinião pública. Mais do que a ação, o pensamento estratégico que orienta o movimento-CHEGA precisa de sair à rua, ganhar raízes, porém está muito dependente de um enquadramento institucional controlado pelos grandes órgãos de comunicação social tradicionais, de ligações aos espaços académicos e demais espaços públicos de debate de ideias. É aqui que a hostilidade do regime continua a resistir com virulência.

A inegável violência silenciadora facilita todo o tipo de ataques, distorções e mentiras chegofóbicas que anulam as possibilidades de defesa dos visados pela sua própria voz ou escrita nas plataformas às quais o grande público tem acesso. Tamanha castração gerou o efeito paradoxal de transformar o fenómeno no de maior impacto social, cívico e político em Portugal no decurso do ano de 2020.

A componente intuitiva ou popular das transformações em curso, fundamental e cada vez mais sólida, ainda não está a ser devidamente sustentada, junto da grande opinião pública, pela componente não menos sólida e fundamental da produção escrita, a que garante solidez nos domínios moral, intelectual, cívico e civilizacional a qualquer grande movimento reformador que tem de sobreviver a médio e a longo prazos. Quem tiver dúvidas sobre a vitalidade da última componente basta consultar a página oficial e o facebook do CHEGA, ou as publicações em textos e livros dos membros da atual Direção Nacional ou próximos.

É grosseiramente falsa a tese do CHEGA não ter pensamento nem pensadores próprios e, acima de tudo, sustentados em grandes referências intelectuais do Ocidente como Edmund Burke, Alexis de Tocqueville, Nietzsche, Freud, Ludwig von Mises, Hayek, Jaime Nogueira Pinto, Roger Scruton, Olavo de Carvalho, Jordan Peterson e mais uma lista interminável desde o Antigo Testamento ou Platão. Claro que muitos deles não pensam como os intelectuais favoritos de um regime patologicamente enviesado à esquerda, também com a sua lista interminável de intelectuais que não são referências do CHEGA por representarem a quinquilharia intelectual de um tempo miserável e caduco, que frutificou sobretudo no último meio século, quinquilharia intelectual imposta a todos os portugueses através do controlo ideológico hegemónico das mentes por via do ensino, do básico ao universitário. Uma ditadura mental numa dimensão sem precedentes históricos.

O ano novo

É nesse ambiente que se inicia o ano de 2021. O momento diz muito, por um lado, sobre a enorme margem de crescimento do CHEGA, pois é como se apenas metade do potencial do Partido estivesse na rua (a ação) e a outra metade continuasse em prisão domiciliária (o pensamento) e, por outro lado, onde se barricam os que o tempo provará serem os carrascos da dignidade, liberdade e prosperidade dos portugueses. Barricaram-se nas televisões, rádios, jornais, revistas, assim com nas demais instituições de controlo do pensamento social como os órgãos de soberania ou as universidades. Como o peixe, o regime apodreceu pela cabeça.

Além dela, está a emergir uma sociedade ainda saudável na qual cresce a consciência de viver ostensivamente infantilizada no seu direito fundamental de acesso a pensamentos, conhecimentos e ambições incómodos para a casta dominante cuja legitimidade só aos cidadãos no seu conjunto compete julgar, em especial através do voto livre. Os portugueses estão a começar a reagir à gravidade da sua própria situação existencial, uma vez que o óbvio silenciamento de André Ventura e do CHEGA está a revelar-se tão-só um sintoma de recalcamentos tenebrosos. Estão em causa dimensões fundamentais da vida religiosa, identidade nacional, história secular, filiação a certos valores e tradições, liberdade de pensamento, direito humano fundamental de ser branco e heterossexual, entre outros sentimentos legítimos e características da vida quotidiana de uma sociedade civilizada do primeiro mundo, mas grosseiramente escorraçados do direito de existir em Portugal por um regime político terceiro-mundista. Desde 1974, este concedeu à esquerda o poder exclusivo de reprimir os seus adversários e, por arrasto, humilhar a dignidade secular de uma nação das mais antigas na face da terra.

Atribuir a André Ventura e ao CHEGA o mero aproveitamento da insatisfação popular faz parte do dever de impor a alienação mental por aqueles que venderam a alma a troco da subsidiodependência, colocando-se na vergonhosa

subserviência mental face ao poder político vigente. Basta ler com um mínimo de inteligência e honestidade os escritos produzidos desde 2019, e que se adensam, para não restarem quaisquer dúvidas de que a legitimidade da afirmação social de André Ventura e do CHEGA apenas cresce porque se alimenta da reivindicação do respeito absoluto pelos mais nobres princípios da dignidade, plenitude e complexidade da condição humana.

Tal postura está necessariamente filiada aos mais nobres princípios da Justiça, Liberdade Individual, Democracia e Estado de Direito sedimentados ao longo da milenar Civilização Ocidental que o narcisismo esquerdista jamais entendeu ou entenderá. É justamente por causa desses princípios que se pode, deve e tem de se criticar ciganos, negros, islâmicos, brancos, pobres, ricos, os reiterados abusos do Estado e todos e tudo o mais. Só em regimes censórios e repressivos a crítica social é seletiva, tem de pedir licença aos ideólogos do turno, vive permanentemente vigiada por leis e decretos do parlamento e governos ou por polícias do espírito, como o SOS Racismo. Não existem diferenças de substância entre o que hoje existe e a repressão do tempo do PIDE e da DGS.

Faz ainda parte dos princípios do mundo civilizado o direito inalienável das nações à prosperidade económica, sendo que a autoridade moral da prosperidade é uma das fontes da legitimação dos regimes políticos. Em sentido inverso, o arrastar por décadas de sucessivos falhanços económicos deslegitima esses mesmos regimes aos olhos de sociedades conscientes da sua dignidade e direitos na relação com os seus poderes tutelares.

Apesar das circunstâncias profundamente adversas, é irrefutável que a sociedade portuguesa evidenciou fissuras na relação com o regime político vigente ao eleger livremente, em 2019, para o Parlamento Nacional pelo círculo eleitoral da capital, Lisboa, um deputado antissistema pelo Partido CHEGA. Decorrido cerca de um ano, ficou evidente que as fissuras se estendem por todo o território nacional e numa dimensão bem mais pronunciada, conforme comprovou a eleição de dois deputados para o Parlamento da Região Autónoma dos Açores que, além do facto em si, teve consequências substantivas na alteração dos equilíbrios políticos da região ao fim de mais de duas décadas de domínio da esquerda socialista.

Num curto intervalo de três meses, seguir-se-á a eleição presidencial no próximo dia 24 de janeiro de 2021. Esta seguramente confirmará transformações que se avolumam de baixo para cima, da Sociedade contra o Regime. A próxima consulta popular deixará evidente que as fissuras assumiram a dimensão de uma cratera. Basta que o único candidato antissistema, André Ventura, obtenha uma percentagem de votação de dois dígitos para ratificar a aceleração da cadência da dissociação entre o Poder e o Povo (expressão feliz de Vasco Pulido Valente), e que irá certamente prosseguir se juntarmos o detalhe de uma parte fundamental da força do CHEGA, a doutrinária ou escrita, ainda continuar desconhecida da grande opinião pública, e mais o desgaste irreversível de um regime agonizante.

Nada disto estaria a acontecer, por um lado, se a sociedade portuguesa não tivesse começado a sentir, por si mesma, ter sido encaminhada pelo regime vigente para o falhanço e, por outro lado, se essa mesma sociedade não começasse a vislumbrar no horizonte possibilidades de resposta efetiva aos seus anseios.

Acrescento um último «se». Se o resultado da eleição presidencial confirmar o cenário traçado, como tudo indica, a sobrevivência do regime passará a situar-se numa dimensão de tal modo significativa que ficará, daí em diante, aberta a possibilidade real do fim da Terceira República Portuguesa, a nascida em 1974. O seu destino transformar-se-á num assunto corrente no debate político habitual e, pela mão de André Ventura e do CHEGA, cada vez mais portugueses legitimarão o advento da Quarta República.

Façamos, por isso, de 2021 o ano da dobragem do Cabo das Tormentas.

Gabriel Mithá Ribeiro 
Vice-Presidente do CHEGA!