Armando Vara e Duarte Lima são apontados por André Ventura como casos em que o Estado “está a pagar a bandidos e a pessoas condenadas por defraudar o Estado”. Partido promete solicitar ao Tribunal Constitucional suspensão imediata dos pagamentos recebidos por 318 titulares de cargos públicos.

O partido Chega está a preparar um protesto público, em data e local a definir, contra a “situação ridícula” do pagamento de subvenções vitalícias a políticos presos, garantindo que irá solicitar ao Tribunal Constitucional, “por todas as vias admissíveis, a imediata suspensão do pagamento destas subvenções suportadas com os nossos impostos”.

“Como podemos pagar subvenções vitalícias a políticos que estão presos? Agora compreende-se por que razão o Governo tanto tinha procurado esconder a identidade daqueles que recebem subvenções vitalícias: além de situações incompreensíveis (como estar a pagar um valor mensal a um secretário-geral da ONU com um salário milionário e uma casa avaliada em milhões de euros), o Estado está também a pagar a bandidos e a pessoas condenadas por defraudar o Estado, como é o caso do Dr. Armando Vara”, disse ao Jornal Económico o presidente do Chega, André Ventura.

Além do ex-ministro socialista, André Ventura aponta como “o cúmulo” a subvenção vitalícia paga ao ex-deputado social-democrata Duarte Lima, “condenado por burlar um banco onde o Estado tem injetado milhões de euros”.

A lista atualizada de subvenções vitalícias tem 318 ex-titulares de cargos políticos que contavam com 12 anos no exercício de cargos públicos e 55 anos até ao final da legislatura de 2009.

in Jornal Económico