“Esta crise prova que a extrema-esquerda não pode estar no poder”

Ao coro de críticas à situação atual que a política nacional atravessa junta-se, este sábado, o líder do partido Chega.

Considerando a atual crise política como “inacreditável”, André Ventura destaca que esta situação “demonstra que a Geringonça nunca revelou qualquer unidade política fundamental” e que a “extrema-esquerda não pode estar no poder”.

Mas não só. Demonstra, “sobretudo, que a extrema-esquerda em Portugal continua a ser completamente irresponsável e a pensar apenas nos seus próprios interesses eleitoralistas”.

Em declarações ao Notícias ao Minuto, o líder da coligação Basta – que concorre às eleições europeias do próximo dia 26 – critica também a posição do PSD e do CDS, dizendo que ambos se revelaram “igualmente irresponsáveis”.

“Com medo de perder votos fecharam os olhos a qualquer possibilidade de negociação alternativa que viabilizasse uma solução”, explica, referindo que o “resultado” é consequência das “mesmas razões eleitoralistas” que agora unem os dois partidos e a “extrema-esquerda no mesmo propósito”.

Isto vem demonstrar aquilo que eu sempre disse deste PSD: que mais não quer do que derrubar a Geringonça para ir para o Governo a qualquer custo, numa espécie de bloco central

Relativamente a um cenário de eleições antecipadas, André Ventura discorda que tal possa ser uma realidade, considerando-a mesmo uma “tremenda irresponsabilidade”, uma vez que há eleições europeias já este mês.

No entanto, garante que irá estar na “primeira linha da luta política por uma mudança completa do nosso sistema político e económico, antes que estejamos novamente debaixo das mãos da troika”.

in Notícias ao Minuto