CHEGA / Publicação atual

Chega ameaça com segunda moção de censura por alegadas incompatibilidades no Governo

André Ventura refere que o Chega entregou, ao Tribunal Constitucional, “um pedido para que seja feita uma investigação judicial”.

O líder do Chega anunciou este sábado que vai apresentar uma segunda moção de censura ao Governo se não forem devidamente esclarecidos os casos de alegadas incompatibilidades que envolvem vários ministros do executivo socialista de António Costa.

“Quero anunciar aqui que, não obstante as limitações regimentais que temos, por força de já o termos feito, se estes casos de incompatibilidades no governo não cessarem e se a justiça não resolver esta vergonha, o Chega voltará a apresentar uma moção de censura ao Governo de António Costa no parlamento”, disse André Ventura, num jantar-comício no Pinhal Novo, em Palmela, que terminou já de madrugada.

“Estes casos são graves demais”, disse Ventura, que acusou o Governo do PS de “andar a brincar com o dinheiro dos portugueses”, face aos casos de alegadas incompatibilidades do ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, da ministra da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Elvira Fortunato, e do ministro da Saúde, Manuel Pizarro.

O dirigente do Chega, que já tinha pedido a demissão dos três governantes, indicou que o partido entregou, na sexta-feira, ao Tribunal Constitucional, “um pedido para que seja feita uma investigação judicial”, considerando que a lei em vigor é muito clara, ao contrário do que diz o PS, e que “estes casos de incompatibilidades devem gerar a demissão dos membros do governo”.

Fonte: TSF

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-13h00 e 14h30-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Email Geral: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !