«Já nem os pretos engano…», a confissão do sr. Mamadou

Eleições Presidenciais de 2021

O Meu Diário de Voto em André Ventura por Gabriel Mithá Ribeiro

Leia diariamente nesta página textos, excertos ou frases destinados a resgatar os portugueses da alienação mental imposta pelas elites jornalísticas, académicas, intelectuais, políticas ou artísticas de um regime falido. Contra ele, André Ventura e o CHEGA fazem germinar uma força moral e cívica imparável que fará nascer a IV República Portuguesa. 

 «Como todo o racista desavergonhado, o coiso [André Ventura] também tem “amigos pretos”. Não fossem tais amizades, Mitha Ribeiro, um colonizado mental e Luc Mombito, um idiota imbecil e uma perfeita incarnação do negro da casa…» 

O autor dessa reflexão profundíssima é Mamadou Ba. 

Fiz muito trabalho de campo em Moçambique, entrevistei centenas e centenas de conterrâneos meus negros entre 1997 e 2015. Eis uma das grandes lições: 

«Há pessoas que saem do mato para a cidade e civilizam-se. Há outras que saem do mato para a cidade e o mato vem atrás.» 

Mamadou Ba não se consegue libertar da sanzala que vive dentro dele. O azar do sujeito é o de já todos terem percebido que ser racista preto dá subsídios, enquanto ser racista branco dá prisão. 

No que depender de mim, a fantochada do racismo desaparecerá da legislação, das instituições, do espaço público, de tudo quanto é sítio. Nem é preciso acabar com o racismo, pois ele morreu de morte natural na década de noventa com o fim do apartheid na África do Sul. 

Mamadou Ba é um resquício dos que se apoderaram do cadáver em putrefação e arrastam-no pelas ruas. O sujeito um dia perceberá que Portugal não é o seu hospício. 

Estudei aprofundadamente o fenómeno para concluir que não existem bases morais ou intelectuais, muito menos científicas, que tornem hoje o antirracismo minimamente defensável, acima de tudo nas sociedades ocidentais. O antirracismo é uma mistura entre alienação mental e uma sofisticada charlatanice político-ativista revertida em lei, se é que tal lixo merece a designação. 

O CHEGA tem tudo para ser o primeiro movimento cívico e político a lançar uma cruzada moral contra os antirracistas e fazer desaparecer o fenómeno para que a história dê mais um grande passo em frente, como deu com o fim da escravatura. 

É das mais sérias promessas eleitorais que os portugueses merecem! 

Gabriel Mithá Ribeiro
Vice-Presidente do CHEGA!