O Leal Conselheiro de André Ventura (4)

Eleições Presidenciais de 2021

O Meu Diário de Voto em André Ventura por Gabriel Mithá Ribeiro

Leia diariamente nesta página textos, excertos ou frases destinados a resgatar os portugueses da alienação mental imposta pelas elites jornalísticas, académicas, intelectuais, políticas ou artísticas de um regime falido. Contra ele, André Ventura e o CHEGA fazem germinar uma força moral e cívica imparável que fará nascer a IV República Portuguesa. 

«(…) uma lição destes tempos é que, assim como as más ideias, as más ideologias, as más instituições e uma falsa representação do mundo – a oitocentista – criaram a situação de decadência, a sua superação só pode resultar de uma alternativa de mundivisão.

(…) entre a conspiração e o eleitoralismo, propõe-se, estrategicamente, uma “terceira via” (que não é, necessariamente, uma solução intermédia entre as primeiras), a alternativa ou revolução cultural.

Esta parte de um pensamento ou de uma experiência, de um projeto e de uma ação. Os dois pontos vulneráveis do sistema são a cultura – nenhum grupo ou força, além dos marxistas ortodoxos, apresentou ainda uma mundivisão coerente em filosofia e praxis, limitando-se todos a soluções eleitoralistas de curto alcance; e a juventude, que cada vez mais se mostra indiferente ou relapsa à linguagem e ao estilo da classe política.

(…) Nas circunstâncias, a congregação de esforços vai actuar numa posição que, pela sua própria natureza, exige uma frente ampla de capacidades e competências, desde que aceite um mínimo ético valorativo e consciente da profunda necessidade de um novo estilo e uma nova política.

A partir daqui, os modos de acção assentam essencialmente na coordenação dos focos e pontos de irradiação do combate cultural e da imaginação criadora ao serviço de um projeto nacional (…). O importante é que o pensamento português, regressando às grandes linhas e ideais comunitários, actue como consciência crítica e orientadora das soluções e projectos necessários à Nação.

Esta tarefa e a mobilização para ela, em termos de adesão lúcida e generosa dos jovens a quem, mau grado as nossas justificações ou até sacrifícios pessoais, deixamos uma Pátria reduzida, humilhada e em risco de desaparecimento, uma Pátria que é deles e eles sentem, é e deve ser o objectivo prioritário da nossa geração.»

Jaime Nogueira Pinto, A direita e as direitas, Lisboa, Bertrand Editora, 1995/2018, pp.236-237.

Gabriel Mithá Ribeiro 
Vice-Presidente do CHEGA!