O senso comum africano: o legado colonial português (1)

Eleições Presidenciais de 2021

O Meu Diário de Voto em André Ventura por Gabriel Mithá Ribeiro

Leia diariamente nesta página textos, excertos ou frases destinados a resgatar os portugueses da alienação mental imposta pelas elites jornalísticas, académicas, intelectuais, políticas ou artísticas de um regime falido. Contra ele, André Ventura e o CHEGA fazem germinar uma força moral e cívica imparável que fará nascer a IV República Portuguesa. 

 «Em termos culturais, os portugueses civilizaram-nos. Nós tínhamos a nossa terra e eles a civilização. Fizemos uma troca. Houve uma série de humilhações, escravatura… Mas houve benefícios. Temos pessoas que são quadros que foram formados nessa época. Alguns desse tempo até hoje choram. Querem de volta esse tempo [colonial]. Mas o que foi, foi. Não é mais possível. Tivemos também grandes vantagens na abertura comercial que os portugueses trouxeram. Está certo que antes dos portugueses já se fazia negócio, mas eles desenvolveram isso com vantagens positivas. Mesmo no aspecto político trouxe coisas boas. Foi o passado, como tudo, com coisas positivas e negativas. (…) A religião trazida pela colonização foi também um progresso.» 

Registo de trabalho de campo – Moçambicano, negro, 27 anos, Cidade de Tete/Moçambique, 21.07.2004. 

Gabriel Mithá Ribeiro 
Vice-Presidente do CHEGA!