Porque é absolutamente óbvio este desígnio de continuidade e de apoio à candidatura de André Ventura para a Presidência do Partido Chega?

As linhas política e ideológica do nosso partido estão soldadas ao nosso Fundador. Ele que já antes foi reeleito Presidente, ele que é o nosso Deputado na casa da democracia. Apoio, sem reservas, quem que está a penetrar na Assembleia com o grandioso objetivo de devolver a governação e os destinos do país aos portugueses de bem! Cada discurso do nosso tribuno é uma pedrada no charco lamacento deste regime apodrecido.

Como nos poderíamos recusar a sustentar a continuidade deste nobre consolado em construção? É visível que André Ventura sempre esteve e sempre estará do lado certo, do justo e do bem moral. Um líder intrépido que dirige um partido de gente comum mas valente e valorosa, contra a pseudoelite globalista e financeira que quer avançar com a sua agenda progressista da esquerda corruptível.

A sustentação explícita das bases nacionais do Partido Chega é necessária para somarmos e seguirmos no crescimento nas sondagens de intenção de voto, que nos colocam recorrentemente como a terceira força política em Portugal. Arrimar André Ventura é, dia 6 de Março, escorar o Partido Chega que se assume contra a sociedade da mentira institucionalizada e que advoga a transcrição dos valores morais judaico-cristãos do abstrato para a vida prática, sem implicar interpretações subjetivas pouco retas!

Vivemos tempos muito difíceis e que, infelizmente sabemos, virão trazer- nos enormes desafios humanos e económicos para a nação portuguesa. A estratégia para os próximos quatro anos vai ser importante não só para o partido como afirmação nacional, ou não só importante para obtermos excelentes resultados eleitorais, como os obtidos nas Regionais dos Açores e nas Presidenciais 2021! A estratégia para os próximos quatro anos é de vital importância para o futuro do país, para o futuro das nossas crianças, para o futuro dos nossos trabalhos e de toda a nossa economia. Economia essa que mais uma vez, em menos de 50 anos, está à beira da quarta bancarrota socialista.

André Ventura é a voz que nunca se cansa de combater os casos FamilyGate das famílias do PS, de Tancos, das Golas Antifogo, do disparo da mortalidade em 2020 para mortes não-covid, da nomeação do Ministro das Finanças diretamente para Governador do Banco de Portugal, da não recondução da Procuradora Geral da República, dos acordos do PS-PSD para as eleições nas CCDRs, da morte encoberta nas instalações do SEF, da

nomeação do Procurador Europeu com falsidades no currículo e, agora, dos benefícios de vacinação para o aparelho regimental… a lista é mesmo infindável. É caso para dizer, miséria! Uma autêntica vergonha nacional!

André Ventura como nosso Presidente, é sem dúvida um agente renovador que já tem uma grande base de sustentação entre nós militantes e entre os simpatizantes de fora. Mas precisa novamente de maior intensidade de suporte pelo nosso voto efetivo, e nós vamos democraticamente proporcionar esse suporte.

Este é o caminho para podermos no futuro, escudados com um maior grupo parlamentar, começar a debater intelectualmente decisões importantes para o país, bem como a reversão de leis iníquas. Existem cada vez mais batalhas civilizacionais e é necessário o pragmatismo de discernimento para perceber com quem as devemos lutar. E é por ser este o caminho certo e certa a nossa luta, que comunicação social ataca incessantemente André Ventura, no desespero de perderem o apoio do sistema que lhes compra “publicidade institucional” a 15 milhões de euros por ano.

Dia 6 de Março, estar ao lado do Partido Chega será votar em André Ventura para a Presidência. É desta forma que somos chamados a intervir nesta nossa casa política, e é bom estarmos conscientes que das nossas decisões dependem o presente e o futuro da nossa sociedade. Todos nós devemos sentir-nos impelidos a votar, pelo Partido Chega e por Portugal, com liberdade e responsabilidade pessoal, se de facto acreditamos numa decente refundação deste nosso muito amado país!

André Ventura defende uma mudança para Portugal e votarei neste candidato a Presidente que continuará a impelir o Chega a resistir contra o regime que nos governa há 46 anos, e que já nos levou a 3 bancarrotas e uma recessão, todas elas em governos do PS!

Eu voto em André Ventura porque quero um Presidente do Partido que diz comigo:

-Quero uma reforma na justiça portuguesa, para que seja célere JUSTA e com penas exemplares.

-Quero uma verdadeira democracia representativa e que não sejam uns poucos poderosos a dominar o país.

-Quero que exista uma separação de poderes e que não se admita o controle político sobre o poder judicial através das nomeações de

correligionários para o tribunal constitucional ou para Conselho Superior da Magistratura ou do Ministério público através de um Procurador-Geral da República.

-Quero que o ensino em Portugal seja aquele em que os professores tenham condições escolares e ferramentas de disciplina e de ordem, para poderem usar uma pedagogia eficaz e produtora.

– Quero a verdade sobre a saúde dos portugueses. A verdade sobre as vacinas, a verdade sobre o uso da máscara desde o início, a verdade quando a pandemia estava prestes a chegar, ou quando não chegavam os ventiladores ou quando devíamos testar mais para podermos desconfinar. Quero a verdade sobre a saúde das pessoas sem propaganda e protegendo sempre quem, como eu, trabalha para se sustentar.

– Quero dizer chega de pagarmos a amigos banqueiros e aos seus bancos falidos, que chega de pagarmos negócios a familiares do governo, que chega de pagarmos investimentos ruinosos, que chega de desvios e que chega mesmo de corrupção!

Eu tenho a forte convicção que André Ventura é o candidato certo para continuarmos esta mudança que tem de ser feita em Portugal! É com esta mudança que poderemos ter um país que não esteja completamente exausto e hipotecado por estes governos de esquerda, que penhoram o nosso futuro consecutivamente! Como eu, muitos militantes também percebem isto!

Eu apoio e voto em André Ventura para presidente do Partido Chega!

Pedro Frazão