PS no limiar da maioria absoluta. PSD recupera e CHEGA ultrapassa BE

António Costa sobe para 44,8% mas Rui Rio trava a descida, com 24,1%. Bloco cai mais do que o Chega que agora é a terceira força política nas intenções de voto.

Em subida sustentada desde que chegou ao Governo, o PS recolhe, nesta sondagem, o valor mais alto dos últimos 12 meses. Desta vez, sobe mais 3pp e regista 44,8% de intenções de voto, a cerca de 20 pontos de distância do PSD.

O partido de Rui Rio consegue, no entanto, travar a tendência de descida do último mês. O PSD regista agora 24,1% de intenções de voto, numa subida de um ponto.

PS no limiar da maioria absoluta. PSD recupera e Chega ultrapassa BE
© JN/TSF

É no terceiro lugar que acontece a maior reviravolta: o Bloco, há meses, perseguido pelo Chega, desce mais do que o partido de André Ventura e perde a terceira posição. O Chega, com 6,4%, apesar de descer meio ponto, em relação ao mês de abril, cai menos do que o 1,5pp que desliza o Bloco (6,1%) e conquista, assim, por décimas, o bronze no barómetro.

Quando se analisa a transferência de voto das legislativas de 2019 para as atuais intenções de voto, constata-se que o Chega vai buscar votos ao PSD, CDS mas sobretudo, entre aqueles que votaram noutros partidos, em branco ou com voto nulo.

PS no limiar da maioria absoluta. PSD recupera e Chega ultrapassa BE
© JN/TSF

Em quinto, a CDU recupera ligeiramente para os 5,8%, O PAN é sexto com 3,3% e o CDS que também regista uma ligeira subida, está com 2,8%.

Em relação a abril, o partido Iniciativa Liberal cai quase um ponto, está com 1,6% de intenções de voto.

Ficha técnica
A sondagem foi realizada pela Pitagórica para a TSF e o JN, com o objetivo de avaliar a opinião dos Portugueses sobre a intenção de voto nas legislativas. O trabalho de campo decorreu entre os dias 16 e 24 de maio, foram recolhidas 808 entrevistas telefónicas a que corresponde uma margem de erro máxima de +/- 3,53 % para um nível de confiança de 95,5% A amostra foi recolhida de forma aleatória junto de eleitores portugueses recenseados e foi devidamente estratificada por género, idade e região. A taxa de resposta foi de 68,31 % e a direção técnica do estudo é da responsabilidade de Rita Marques da Silva. A ficha técnica completa, bem como todos os resultados, foram depositados junto da Entidade Reguladora para a Comunicação Social que os disponibilizará para consulta online.

in TSF