REGIONALIZAÇÃO? NUNCA!

O Partido Chega é contra a regionalização. Isto que fique bem claro. Somos um partido que defende as regiões, mas não defendemos os caciques. E o Chega vai estar sempre contra autarcas oligárquicos, que permanecem nas Câmaras Municipais anos e anos a fio, fomentando o compadrio.

O Partido Chega estará sempre aqui para denunciar esses apadrinhamentos que se Traduzem muitas vezes em adjudicações diretas quase sempre mal justificadas e a cheirar a esturro. Onde há fumo há provavelmente fogo. E não são raros os casos de autarcas investigados por favorecimentos pessoais e adjudicação de obras ou aquisição de materiais que levantam muitas dúvidas.

Nós não nos identificamos com os autarcas que andam por aí no seu trabalho de donos das autarquias, como se de pequenos reis se tratassem. Vamos com toda a certeza conseguir envergonhá-los ou fazê-los dormir menos e trabalhar mais. Se nem para gerir uma simples câmara municipal têm competência, como é que vão gerir uma região?

O Chega defende um país que descentralize, que promova políticas de proximidade, que acuda com urgência ao país das casas abandonadas, da desertificação, da má gestão florestal do território, da preservação dos rios e ribeiras, da reforma da Justiça,  e dos Órgãos de Polícia Criminal e do Serviço Nacional de Saúde, entre muitas outras coisas. Mas também queremos autarcas que se destaquem da mediocridade e que, sobretudo, trabalhem e não furtem os munícipes/Povo.

Querem regionalizar um país com autarcas triviais que não sabem sequer apresentar as matérias aos diversos ministérios da governação e na gestão da coisa pública não passam de dirigentes iletrados?

Haja sensibilidade e bom senso. Neste pequeno Portugal, cinco vezes mais pequeno que a Espanha, e todos sabemos os problemas que a Espanha tem tido com as suas regiões – fazer uma regionalização em Portugal servirá apenas para fomentar a corrupção e dividir o nosso país. Não para o desenvolver, que é aquilo que se espera de governantes sérios e honestos. Mas estes, por aquilo que se tem percebido, são uma árvore no meio da floresta.

Regionalização? Em Portugal Continental Nunca! E o Partido Chega, sempre se irá opor a essa ideia peregrina e sem qualquer sentido, que só serviria para afundar ainda mais as paupérrimas contas públicas.

Portugal é uno e indivisível!

José Dias, Vice-Presidente para as áreas da Segurança e Justiça.