O presidente do Chega defende ainda sanções para quem assinar presenças de deputados ausentes.

Apoucos dias do arranque da campanha eleitoral para as legislativas, André Ventura revela ao Notícias ao Minuto uma das bandeiras com as quais vai acenar ao eleitorado na corrida ao Parlamento.

O líder do recém-formado Chega defende a introdução de multas no sistema político nacional. Estas, explicou, são necessárias para a “moralização do sistema político”, algo pelo qual o partido “se tem batido desde o início”.

Assim, explica Ventura que aos “deputados que faltarem injustificadamente devem ser aplicadas multas na ordem do 1/10 do salário”. Já no caso dos deputados que assinem as presenças pelos colegas ausentes, também aqui deverão ser aplicadas “sanções” que “poderão chegar a ½ do salário”.

“Vamos apresentar estas ideias no Funchal onde chegarei hoje para me juntar ao Chega Madeira”, acrescentou.

Recorde-se que antes das eleições legislativas, realizar-se-ão ainda as regionais na Madeira às quais vão concorrer 17 candidaturas num círculo único – PDR, Chega, PNR, BE, PS, PAN, Aliança, Partido da Terra-MPT, PCTP/MRPP, PPD/PSD, Iniciativa Liberal, PTP, PURP, CDS-PP, CDU (PCP/PEV), JPP e RIR.

Além das agora anunciadas multas aos deputados, André Ventura também é defensor do fim das subvenções vitalícias dos políticos. Nesta senda, o presidente do Chega visitou o Estabelecimento Prisional de Évora para pedir a Armando Vara – ex-ministro condenado a cinco anos de prisão por tráfico de influência.