CHEGA / Publicação atual

CHEGA exige aposta forte no potencial agrícola dos Açores

O arquipélago dos Açores tem um enorme potencial agropecuário e, no entanto, a falta de investimento que tem vindo a ser feita no sector desta região é gritante.

Por um lado, este desinvestimento financeiro e científico prejudica o potencial da região e, por outro, mostra como o Governo da República não está a saber conciliar os interesses dos Açores com os do restante país.

O CHEGA considera que é fundamental e urgente valorizar os agricultores açorianos que são agentes primordiais no desenvolvimento da agricultura local, aliando os seus conhecimentos práticos a uma vertente que consubstancie também a promoção e o respeito pelo ambiente, bem como a coesão territorial.

A pensar nesta carência de que padece a Região Autónoma dos Açores, o CHEGA apresentou na Assembleia da República um Projecto de Resolução no qual recomenda ao Governo que:

– comece por fazer um levantamento exaustivo das áreas de produção agrícola com maior potencial no Arquipélago dos Açores, accionando a dinamização dos programas de desenvolvimento produtivo para todas elas;

– de seguida reúna com as associações locais dos sectores agrícolas referenciados a fim de receber as queixas e necessidades existentes a fim de as poder colmatar o mais rapidamente possível;

– e, por fim, promova o contacto e partilha científica entre os representantes das áreas agrícolas de maior evolução e importância produtiva do arquipélago e as instituições de ensino públicas presentes, fomentando desta forma o desenvolvimento científico inerente às áreas em causa

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !