CHEGA / Publicação atual

Os Conservadores [da natureza] são os verdadeiros ambientalistas!

Dia Mundial da Conservação da Natureza a 28 de Julho. Desde 1988, que a ONU decidiu decretar este dia, mas foi muito antes -1968 – que a agenda conservadora do Clube de Roma convocou a Ecologia para a ribalta mundial de forma a discutir os limites do crescimento económico. A preocupação estava na certeza de que o petróleo iria acabar no final do século XX, e era preciso garantir a riqueza e a prosperidade das sociedades.

Quando os partidos ecológicos surgiram na Europa, no início dos anos de 1980, faziam questão numa posição política: “nem capitalismo, nem socialismo, somos verdes”! Formavam uma terceira via que fugia das posições extremadas da Guerra Fria. Estes ambientalistas tinham a ideia de que ambos os sistemas económicos defendidos por esses polos políticos maltratavam a natureza. Só muito recentemente o “ambientalismo” derivou para o campo da esquerda.

Relembremos que, historicamente, os primeiros conservadores da natureza foram as nobrezas europeias, com a gestão de ecossistemas para fins de recreação cinegética. A Real Tapada de Mafra foi criada em 1747, para constituir um espaço com 1200 hectares de recreio venatório para o Rei D. João V, e para sua corte, conservando a natureza existente e salvaguardando os recursos naturais.

As primeiras leis conhecidas de proteção de animais são de 1809, com o Barão Erskine, ex-Chanceler Inglês, que se sentia atormentado pela crueldade com os animais. Apresentou um projeto de lei para proibir a crueldade a todos os animais domésticos. Em 1822, também em Inglaterra, um projeto de lei “para prevenir o tratamento cruel e impróprio do gado” foi aprovado na Câmara dos Comuns tendo sido defendido por Richard Martin, conhecida como a Martin’s Act. Tornou crime tratar um animal pecuário cruelmente ou infligir-lhe sofrimento desnecessário.

Mais modernamente, o conceito de parques nacionais foi criado por um republicano conservador americano, Ulysses Grant, e todo o sistema de parques foi expandido por outro republicano, Teddy Roosevelt. A primeira Agência de Proteção Ambiental, a americana, foi também criada por um republicano conservador – Richard Nixon.

Em Portugal, o nosso único Parque Nacional, o Parque Nacional da Peneda-Gerês foi criado em 1971, num regime conservador. Também aquele a quem podemos chamar o pai da ecologia em Portugal, o Arq. Gonçalo Ribeiro Teles, foi um proeminente conservador, tanto na política como no ambiente!

Os conservadores, querem conservar as coisas. É o próprio nome que indica isso! E uma das coisas que queremos conservar é o nosso meio ambiente, porque sabemos que só podemos ter um povo e um país saudável com um ambiente natural saudável.

Eu, conservador, amo tanto ou mais o meio ambiente como os autointitulados ambientalistas que, na verdade, são Animalistas… O animalismo é uma corrente de opinião que nega o antropocentrismo para igualar o ser humano com todas as espécies de seres vivos. Igualar significa colocá-los em igualdade de direitos (não de deveres) e querer uma inserção social para todos os efeitos.

Os animalistas negam o humanismo. O humanismo, que é a corrente filosófica suportada pela ciência e até pelas religiões, que situam o ser humano como centro de todas as vidas, estimulando o desenvolvimento da sua inteligência, sensibilidade e criatividade. Hoje em dia, confunde-se “animalismo” com ecologia, e são coisas opostas.

Esses ambientalistas de pensamento marxista e estatizante querem dizer-nos que o melhor, e o único caminho para a conservação da natureza, é através de uma regulamentação asfixiante de nível nacional e internacional, acrescida de enormes taxas e impostos às mais variadas atividades humanas.

Nós, os conservadores sabemos que a melhor maneira de proteger o meio ambiente é proteger os direitos de propriedade, de forma regulamentada e, ao mesmo tempo, incentivar à prosperidade pela inovação, com economia de recursos! Principalmente em recursos de energia mais segura e eficiente – como a nuclear, a geotérmica, a de biomassa – ou qualquer coisa que gere energia a um preço que os consumidores desejam e podem pagar!

Hoje e no século passado, os piores criminosos ambientais foram os grandes governos repressivos e socialistas. A ideologia de esquerda não é só responsável pelos maiores genocídios da história da humanidade, mas também é responsável pelos maiores desastres naturais antropogénicos.

São exemplos gritantes: os desastres nucleares de Kyshtym, na Rússia, em 1957 e de Chernobyl, na Ucrânia, em 1986. Também a República Popular da China, sempre foi a recordista mundial na exploração e tráfico de animais selvagens para alimentação humana, no finning de tubarões, na sobrepesca industrial, na construção de megabarragens com gigantes impactos ambientais, entre outras alarvidades ambientais.

Também podemos lembrar toda a seca de um mar, o Mar Aral, URSS, para a irrigação agrícola de 7,7 milhões de hectares dos territórios da Ásia central, desde 1960. Este mar com 66.000 Km² na década de 80 estava já reduzido a 1/7 e em 1992, foi pedido ao Banco Mundial que coordenasse a ajuda internacional em resposta à crise na bacia do Mar de Aral… já sendo tarde demais, o Mar secou constitui hoje o chamado deserto de “Aralkum”!

O que foi verdade no séc.XX é verdade no séc. XXI. A China, por exemplo, emite aproximadamente duas vezes mais dióxido de carbono para o ar por ano, que os Estados Unidos, embora a economia dos EUA ainda seja maior que a da China, pelo menos por enquanto…

Se olharmos, ainda, para o Green New Deal, uma proposta ambiental defendida pelos partidos progressistas, vemos que grande parte da proposta não tem nada a ver com o meio ambiente: falam em medicina social, reparações por erros históricos e programas de garantia de emprego universal… é apenas uma melancia, esta agenda socialista num embrulho verde.

Por outro lado, nós, os conservadores queremos inovar o caminho para um ambiente mais limpo, sem privar ninguém das suas liberdades. Como aconteceu, por exemplo, com a perfuração por fracking, que a esquerda demoniza, mas que é mais barato, mais limpo e ainda traz alguma independência do petróleo do Oriente Médio.

A conservação do ambiente é, de facto, uma prioridade! Somos os testamenteiros duma herança ambiental inter-geracional. Por isso, a defesa equilibrada e ponderada do ambiente é uma causa nacional e humanista, como conservadores liberais que somos temos de retirar da esquerda, e de vez, esta causa da conservação da natureza que usurparam indevidamente! Temos de mostrar a verdadeira forma de fazer política ecológica conservadora!

Pedro Santos Frazão

Vice-Presidente do Partido CHEGA

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-13h00 e 14h30-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Email Geral: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !