CHEGA / Publicação atual

A arrogância por vezes sai cara!

Dizem as regras da boa convivência e lealdade institucional entre partidos com assento na Assembleia da República que não se deverão sobrepôr datas de Congressos, por todas as razões fáceis de compreender e mais alguma.

O CDS, num acto de arrogância política sem precedentes contra um partido político nestas condições – neste caso o CHEGA – quiçá por se sentir por este derrotado em toda a linha, acaba de o fazer, sem medir as consequências políticas de tal acto.

O que o CDS se esquece é que não foi o CHEGA que o fez perder eleitorado ao ponto da quase absoluta irrelevância política, foi antes o desnorte ideológico em que ele próprio caiu e permaneceu ao longo dos últimos anos que o levou a perder expressão de forma drástica.

Um partido com um “público alvo” maioritariamente conservador não pode jamais, em tempo algum, gerar políticas com o intuito evidente de ir buscar eleitorado socialmente liberal, até porque simplesmente são matrizes ideológicas totalmente antagónicas.

Quando assim é, acaba-se invariavelmente a “pescar à linha” de um lado, e a “perder as redes” do outro!

Foram assim as suas opções políticas e só essas que acabaram, provavelmente de forma irrecuperável com o CDS.

O único “pecado” do CHEGA neste capítulo é ser coerentemente conservador nos usos e liberal na economia e com isto tornar-se apetecível e capaz de conquistar um eleitorado de direita que andava perdido no espaço político português e partidariamente “órfão”.

Dito isto e voltando à questão central das datas dos respectivos Congressos, considerando que já tinha anunciado primeiro a data do seu, o Partido CHEGA fez aquilo que lhe competia: um corte de Relações Institucionais, até porque como diz a sabedoria popular “quem não se sente, não é filho de boa gente”.

Parece ser institucionalmente muito duro e pouco consequente mas analisemos no quadro de um potencial e certamente necessário acordo (sobre o qual não me irei pronunciar, remetendo naturalmente para André Ventura na hora certa, se esta chegar) de Governo pós eleições legislativas…

Vejamos:

O PSD irá certamente necessitar de parceiros para uma maioria governativa. Para isso terá na verdade três parceiros naturais a quem recorrer, respectivamente o CHEGA, a IL e o CDS.

Não é obviamente inocente a ordem pela qual coloquei estes três partidos!

Aliás, basta uma superficial análise às sondagens (aquelas que o senso comum imagina desvalorizarem propositadamente os resultados do CHEGA) para perceber que esta ordem não é arbitrária e as diferenças são de tal maneira grandes que na hora da verdade, o PSD terá sérias dificuldades em olhar para o seu parceiro habitual como preferencial ainda que com pena pois sendo talhado para “muleta” é sempre o parceiro ideal!

Por seu lado André Ventura não é uma pessoa fácil de convencer e é sem dúvida impossível de condicionar, mais sabendo que – a bem da verdade e com os portugueses por testemunhas – o Partido CHEGA desde o início do seu crescimento nas sondagens que vem em diversas ocasiões propondo o diálogo civilizado, institucional e democrático com o PSD, a IL e o CDS, diálogo sempre por estes negado!

Futurologia deixo para quem sabe, mas posto este raciocínio, parece-me ser caso para dizer:

“As contas” estão fáceis de fazer e como diria o genial actor António Silva na não menos genial “Canção de Lisboa”: A “Prova” faz-se já aqui ao lado…

Ricardo Regalla Dias Pinto

Director Nacional do Partido CHEGA!

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !