CHEGA / Publicação atual

CHEGA quer novo estudo sobre comunidade Cigana em Portugal

O Partido CHEGA deu entrada com um Projecto de Resolução que pretende promover a realização de um novo Estudo Nacional sobre as comunidades Ciganas, que incorpore a actualização do estudo elaborado pelo Alto Comissariado para as Migrações e pelo IHRU, e que assegure a participação da sociedade civil.
Ao longo da sua história, Portugal apresenta-se como um país plural e capaz de acolher todas as comunidades, das mais diversas origens, que nele pretendem permanecer para viver e trabalhar, sendo tal facto elogiado e realçado política e socialmente.
No entanto, esta capacidade de acolhimento e integração do nosso país deve pressupor um comportamento semelhante de quem é recebido, devendo haver vontade de se integrar na matriz identitária nacional, nomeadamente sujeitando-se às normas e regras estabelecidas para todos os cidadãos.
Ora, nos últimos anos tem-se adensado o debate em torno das questões que dizem respeito às minorias, muito em particular no que diz respeito à comunidade cigana, sobre a qual teimam em não existir dados suficientemente actualizados que permitam, com clareza, aferir as necessidades, contingências e especificidades desta comunidade no nosso país.
Os últimos dados que foram recolhidos sobre esta comunidade remontam aos anos de 2013 e 2014, quando foi feito um questionário desenvolvido pelo IHRU e pelo ACIDI (agora denominado de ACM – Alto Comissariado para as Migrações) e que apresentou alguns dados importantes quanto à caracterização das comunidades ciganas em Portugal.
No entanto, este estudo não apresentou dados quantitativos capazes de permitir conclusões objectivas, pelo que só uma actualização dos mesmos nos irá permitir compreender a evolução destes e outros indicadores até aos dias de hoje, possibilitando assim uma avaliação da integração desta comunidade na sociedade portuguesa.
Ao contrário do que alguns afirmam, a defesa desta necessidade não representa um qualquer ímpeto xenófobo, discriminatório ou passível de consubstanciar ódio racial, mas afigura-se, isso sim, como o melhor caminho para conseguir analisar as queixas e necessidades desta comunidade, resolvendo problemas que teimam em subsistir.
Nesse sentido, o Partido CHEGA recomenda ao Governo que promova, já em 2022, a realização de um novo Estudo Nacional sobre as comunidades Ciganas, que incorpore a actualização do estudo elaborado em 2013/2014 pelo ACM – Alto Comissariado para as Migrações e pelo IHRU, e que assegure a participação da sociedade civil.

O Grupo Parlamentar do CHEGA,
11 de Junho de 2022

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !