CHEGA / Publicação atual

CHEGA quer flexibilizar regime jurídico das PPP na Saúde

O Partido CHEGA deu entrada com um Projeto de Lei que pretende flexibilizar o regime jurídico das Parcerias Público Privadas na área da Saúde, para eliminar constrangimentos legais e burocrático no sentido de assegurar, em primeiro lugar, a saúde dos cidadãos.
O SNS encontra-se atualmente “debaixo de fogo”: urgências fechadas, serviços de ginecologia e obstetrícia sem resposta, cirurgias e exames com muitos meses de atraso, em alguns casos ultrapassando um ano de espera. O tempo de espera máximo das cirurgias oncológicas muito prioritárias foi ultrapassado em 68% dos casos, nos IPO.
É fundamental perceber como chegámos a esta situação e o que podemos fazer para ultrapassar a inoperância e ineficácia que se instalou no SNS, que coloca em causa a saúde dos cidadãos.

Como é sabido, e tal como demonstram as auditorias do Tribunal de Contas à execução das Parcerias Público-Privadas de Cascais, Braga, Loures e Vila Franca de Xira entre 2014 e 2019, a gestão privada destes quatro Hospitais gerou poupanças efetivas para o Estado de cerca de €203 milhões.
Para além disso, o Tribunal de Contas recomendou a aplicação dos indicadores de desempenho de resultados previstos nos contratos de PPP a todos os hospitais do SNS, bem como a aplicação e monitorização dos inquéritos de satisfação dos utentes, dos profissionais e dos sistemas de gestão da qualidade a todos os hospitais do SNS.

O relatório do Tribunal de Contas vai mais longe e refere que sem uma governança e ferramentas de gestão adequadas aos desafios que enfrenta, o SNS não será capaz de gerar os ganhos de eficiência necessários para continuar a investir no seu futuro, nomeadamente em termos de sustentabilidade financeira.
O Tribunal de Contas concluía assim que os hospitais em Parcerias Público- Privadas de Cascais, Braga, Vila Franca de Xira e Loures estavam plenamente integrados no SNS e geravam poupanças para o Estado.
Das quatro parcerias público-privadas (PPP) da Saúde, que o tribunal de contas apontou como gerando poupanças efetivas para o Estado de cerca de €203 milhões, resta apenas a do Hospital de Cascais cujo contrato de gestão foi prorrogado.
Nesse sentido, o CHEGA deu entrada com um Projeto de Lei para que seja possível assegurar a flexibilidade da contratação de PPP, para que, em caso de necessidade, como se verifica atualmente, não se verifiquem quaisquer constrangimentos legais ou burocráticos na contratação destas parcerias, não só pelo tempo de resposta, como pelo combate ao desperdício e às poupanças efetivas comprovadas pelas auditorias do Tribunal de Contas.

O Grupo Parlamentar do CHEGA
18 de Julho de 2022

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !