CHEGA / Publicação atual

A Estrada do DESNORTE

O Itinerário Principal 3, mais conhecido por IP3, projetado para ligar a A1 a Viseu, foi pensado para beneficiar alguns concelhos, até então mal servidos de acessos, tendo o seu primeiro troço inaugurado pelo Eng. Joaquim Ferreira do Amaral em 1991, entre Trouxemil e a localidade da Raiva.
O IP3, fruto de diversas circunstâncias, já causou perto de centena e meia de vítimas mortais, para além de centenas de incapacidades permanentes (parciais ou totais).
Desde há bastante tempo, que as populações que se situam em zonas contíguas ao mesmo traçado (sinuoso pela complicada orografia do terreno), solicitam a duplicação de vias em todo o seu traçado e a colocação de separadores centrais. Os separadores em parte do traçado já foram colocados, mas a duplicação de vias tarda em ser efetuada.
O Primeiro-Ministro António Costa em 2018, prometeu ser esta a GRANDE OBRA DO MANDATO, com duplicação de 85% da extensão total do IP3, num investimento de 130 Milhões de euros, no entanto, até à data apenas se investiram cerca de 11 Milhões de euros.
Não havendo qualquer relação entre a Pandemia Covid-19 e os atrasos constantes, verificámos que nas Legislativas de 2022, a região e os concelhos abrangidos reforçaram o apoio ao poder Socialista.
Desde a sua inauguração, que todos os dias as pessoas com quem convivemos, reportam excessos de muitos automobilistas, que vão desde os limites de velocidade às distâncias de segurança inexistentes e aos sinais ameaçadores de luzes.
Será que nos devemos ficar apenas pelos PROTESTOS, pela não realização das PROMESSAS ELEITORAIS do Primeiro-Ministro António Costa?
A resposta é NÃO: É impossível ficar a ver mais mortes quando “pequenas-grandes” medidas poderiam ser tomadas.
É IMPERIOSO solicitar a colocação imediata de PÓRTICOS INFORMATIVOS aos condutores, a solicitar o cumprimento e respeito das normas de segurança relativas a distâncias e velocidades, principalmente entre a Espinheira e a Raiva.
Estes ficariam definitivos mesmo com a duplicação de vias.
E definitiva poderia ser ainda a “pedagogia dos radares e câmaras de vigilância”, visto que, trinta anos de tragédia não têm sido elucidativos, tal o desnorte com que muitos ali conduzem.

Texto.: Carlos Mendes Oliveira

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !