CHEGA / Publicação atual

FRUSTRAÇÃO, DESESPERO e SATURAÇÃO

Estas palavras, alarmantes, representam o estado de espírito dos militares da Guarda Nacional Republicana, sem exceção, incluindo claro está, os militares adstritos ao Comando Territorial de Coimbra.
Frases tais como:
“ninguem quer saber de nós”,
“não passamos de números”, “se aumentar novamente a idade da passagem à reserva, meto baixa até me ir embora”,
“estou farto disto “
“isto tá bom é para os ladrões “, são expressões usuais e repetitivas, nas tais conversas ditas de caserna…

A verdade, nua e crua, é que o panorama em matéria de segurança é assustador.

Se atendermos a que sem segurança não há liberdade, e sem liberdade, não há democracia! O caos bem como a desmoralização do efectivo é uma realidade, apesar das tentativas desesperadas do governo em pintar o quadro de outra cor… com a complacência das chefias, claro está!

O cenário nas aldeias e vilas sob jurisdição da Guarda Nacional Republicana, Distrito de Coimbra incluído é o seguinte:
– Postos Territoriais a funcionarem apenas com um homem de serviço interno e sem patrulhas as ocorrências na sua área de jurisdição.
– Agrupamento de militares de postos vizinhos que, não raras vezes, têm sob a sua responsabilidade, dois ou mais Concelhos.
– A deslocação de patrulhas pertencentes a outros Destacamentos e oriundas de outros Concelhos, para tomar conta das ocorrências ali existentes.
– A negação do direito ao descanso complementar e por vezes do descanso semanal para dar resposta aos chamados eventos de grandes dimensões, tais como, Volta a Portugal, railis, concentração de Motos ou outros, obrigando os militares a esforços desumanos e imorais, colocando em causa a segurança dos cidadãos, visto que ninguém tem o dom da multiplicidade. Se estão num lado, não podem estar noutro…

Por outro lado, e sendo certo que não há soluções “mágicas”, existe um conjunto de medidas que urge serem aplicadas, mas para tal é preciso coragem para afrontar o poder central e local:
a) O reconhecimento e a valorização da carreira profissional através de um salário condigno;
b) A abertura sistemática e recorrente de concursos de admissão ao longo do ano;
c) A reestruturação imediata dos serviços de modo a libertar os militares de tarefas exclusivamente burocráticas e por conseguinte aumentar o número de efectivos quer nos Postos Territoriais quer nas diversas valências tais como SEPNA, Investigação Criminal ou Policiamento Comunitário;
d) O encerramento dos Postos Territoriais de pequena dimensão e localizados perto de outros postos, permitindo desta forma a transferência de militares e meios logísticos para postos de maior dimensão aumentando assim não só o número de operacionais como também o número de patrulhas durante os diversos turnos e horários;
e) A permissão de continuar ao serviço de todos aqueles que atingindo a idade de passagem a reserva assim o desejem através de incentivos econômicos e sociais;
f) O agravamento das penas de forma exemplar para todos aqueles que injuriem ou agridam agentes de autoridade

Texto.: ANÓNIMO

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !