CHEGA / Publicação atual

SER IDOSO DEFICIENTE em PORTUGAL espera TUDO e NADA do SNS

Na década de 50 do século passado, recordo-me das prestações de saúde, visto que não havia SNS (Serviço Nacional de Saúde) em Portugal, no entanto, nas áreas urbanas, o atendimento médico, era assegurado nos hospitais públicos de Lisboa, do qual nunca usufruí, ou por médicos locais no seu próprio consultório, ou com consultas a domicílio a preços acessíveis apenas à classe média.
Por regra, ninguém, nesses dias, ia ao médico ou utilizava os serviços de saúde para prevenção doenças, exceto nos casos de vacinas.
Os médicos e enfermeiros, por sua vez, eram vizinhos nossos. Eram prestáveis, solícitos, rápidos e sempre disponíveis.
A título de exemplo, as visitas eram domiciliares para doenças contagiosas como sarampo, papeira, varicela, escarlatina ou, em casos de impossibilidade de deslocação dos doentes para efeito de injeções ou tratamentos domiciliares.
Atualmente, encontro-me com limitação motora mais reduzida, no entanto, a assistência de saúde onde agora vivo, desde 1999, Concelho de Montemor-o-Velho, o SNS tem seguido corajosamente a sua missão.
Conservo a maior admiração e respeito pela competência dos Médicos Doutores Graduados e, mais recentemente, por dois internos dessa unidade.
Por outro lado, devo gratidão à boa vontade e atenção permanentes, por parte do sector da Enfermagem. Por sinal, a minha médica de família, tem sido incansável durante (a meu ver) as absurdas, exageradas e desnecessárias restrições de atendimento presencial, instituídas pela desastrosa ação da ministra da saúde Temido.
Subitamente, em finais da PANDEMIA, tudo se complicou ou descambou de tal maneira, que se tornou impossível sequer o contacto telefónico, para averiguar datas alternativas, disponíveis para consultas resultantes de desmarcações súbitas, por parte do Centro de Saúde. Consultas essas, que haviam sido, previamente, agendadas e confirmadas com meses de antecedência. conforme preconizado, através do própria Linha de Saúde 24, circunstâncias que deixam utentes sem recurso para a renovação e reavaliação dos receituários.
O problema de atendimento regular do SNS, em Montemor-o-Velho, agrava-se no caso de DEFICIENTES MOTORES, quando estes se veem obrigados a deslocar-se de madrugada para o Centro de Saúde porque, por lá, nem sequer há reserva de lugares adequados a veículos que transportem ou sejam conduzidos por eventuais acidentados de locomoção.
Por este facto, tentei transferir o meu atendimento médico para a Unidade de Saúde de Pereira do Campo, a 5 minutos de casa, mas a médica titular dessa unidade deu-se ao refinado luxo de recusar o meu pedido formal, alegando que estava sobrecarregada com utentes – para aí eu poder a vir “um dia” ser atendida teria que desistir, previamente, do meu atendimento em Montemor-o-Velho e aguardar vaga, indefinidamente, como um qualquer outro utente recém chegado ao sistema de saúde, por isso, desisti.
Pessoas com dificuldades motoras, veem-se, ainda, auto-coagidas a chegar às Unidades de Saúde de madrugada de forma a garantirem lugar de estacionamento ou, literalmente, terão que fazer alpinismos e “rappel” para subirem ou descerem desníveis em declive – desde o lugar em que deixam os carros até à entrada do Centro de Saúde – apenas com ajuda das próprias bengalas ou andarilhos.
Ainda, a respeito de estacionamento para deficientes, resta dizer que nas unidades públicas de saúde, o parqueamento disponível, está normalmente com acesso condicionado e restrito, exclusivamente, aos profissionais de saúde que lá trabalham, enquanto, os utentes com dificuldades que se governem com sobras eventuais.
Nas unidades de saúde nacionais, tais como, o Centro de Saúde de Montemor-o-Velho, o Hospital da Universidade de Coimbra, o Hospital dos Covões ou o Hospital da Figueira da Foz, atualmente, tudo o que eu descrevi não incomodará absolutamente ninguém.
O que interpreto que aflige quem presta serviços no SNS, em geral, são os seus pretensos magros salários, ou os direitos a que se arrogam de fins-de-semana e épocas de férias “de todos os familiares”, especialmente, se puderem remendar feriados e férias, aumentando o espectro de tempo das ausências.
A meu ver, as responsabilidades desta situação é dos próprios utentes que, por falta de recursos próprios para custas judiciais, engolem com garbo as arbitrariedades de que são vítimas.
Até quando somos obrigados a suportar estas INJUSTIÇAS.
Apenas posso dizer, VERGONHA…

Texto.: Regina Nabais Menezes, militante

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !