CHEGA / Publicação atual

O DESORDENAMENTO DO TERRITÓRIO na esfera dos incêndios. Cantanhede na mira!!!

Nas últimas décadas, os incêndios florestais passaram a atingir dimensões catastróficas não só em Portugal como em grande parte dos países mediterrânicos.
Os fatores meteorológicos, criam condições conjunturais que explicam uma parte da área ardida, todavia, existem causas estruturais, de cariz organizacional, sem as quais não será possível compreender o acréscimo de áreas queimadas verificado nas últimas décadas.
Com o abandono da agricultura nas últimas décadas, a maioria dos terrenos que outrora produziam os mais variados produtos alimentares, agora estão ao abandono com vegetação espontânea, mata, pinheiros e eucaliptos.
Existem mesmo assim alguns locais, onde a floresta está bem ordenada, no entanto, a maioria dos locais está completamente desordenado. Esta transição florestal devida ao abandono agrícola está a ser mal gerida, com falta de ordenamento e fiscalização. Quando existe um incêndio este desordenamento potência um incêndio devido à alta capacidade combustível da vegetação.
Com a criação das faixas de gestão combustíveis, já se aumentou o nível de segurança da propagação dos incêndios em zonas habitacionais de risco, mas não resolve o problema dos incêndios.
A grande percentagem de território abandonado, terrenos incultos e floresta abandonada sem gestão, tem que ser reformulada com alterações à matriz florestal, mas isso é trabalho que demora anos a realizar e quanto mais tarde a mudarmos pior.
Alguns técnicos defendem uma reflorestação com árvores menos combustíveis, se criem pastagens em algumas zonas e que se criem zonas agrícolas que façam de tampão a possíveis incêndios.
Existe um outro problema na nossa região, que é o facto de a média da propriedade ser menor que 0.5 ha, agravado pelo facto de estar em nome de pessoas que já morreram, estando juridicamente a propriedade em heranças indivisas em que nem sempre os herdeiros se entendem e outros em heranças jacentes que ainda não foram reclamados por ainda estarem em nome de pais, avós ou mesmo visavós.
Este problema tem que ser resolvido através de Alterações à Legislação e aplicar a já feita.

Texto.: Luís Mota
Origem.: Distrital de Coimbra

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !