CHEGA / Publicação atual

Comunicado relativo às declarações da Ministra da Agricultura sobre a CAP

O Partido CHEGA e o seu o Grupo Parlamentar condenam fortemente as declarações proferidas pela Senhora Ministra da Agricultura e Alimentação, que conferem um ataque sem precedentes por parte de um membro do Governo à livre expressão da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP).

Para responder a críticas da CAP sobre a uma total ausência de medidas do Governo para mitigar os nefastos efeitos da seca no setor primário até à data, Maria do Céu Antunes, ao invés de responder com objectividade, fez um flashback aparentemente premeditado, usando oportunisticamente a pergunta pertinente dos jornalistas para dizer:

“É melhor perguntar porque é que durante a campanha eleitoral a própria CAP aconselhou os eleitores a não votar no Partido Socialista”.

Estas afirmações geraram um comunicado por parte da CAP, que as considera “perplexizantes”, acrescentando algumas questões, nomeadamente: “E o que tem a campanha eleitoral a ver com a falta de pagamentos aos agricultores? E com a ausência de medias de apoio à seca? A ministra não paga aos agricultores, e adia decisões, por retaliação política à CAP?”

Para o Partido CHEGA, as declarações da Senhora Ministra, revestem claramente um acto de pura vingança política para com os representantes dos agricultores, apenas porque estes exerceram livremente o seu direito, em campanha eleitoral, de publicamente “rejeitar o voto em todos os partidos que tivessem a intenção de coligar-se com o PAN ou com todos os partidos anti-agricultura e anti Mundo Rural”.

No entender do Partido CHEGA, estas declarações da CAP exprimem até uma salutar independência de todos os partidos políticos, concretamente daqueles que não eram capazes de indicar claramente que não fariam coligações com o PAN, incluído o PS, que era já o partido de Governo.

É por isso inqualificável que uma Ministra da Nação hostilize desta forma os representantes dos agricultores, apenas para querer vingar a falta de apoio eleitoral de há mais de seis meses. Esta atitude de exercer uma desforra tão dilatada no tempo demonstra ainda um eclipse de qualquer magnanimidade e releva tanto vilania como ignomínia perigosas.

Com este comportamento, a Senhora Ministra da Agricultura e Alimentação não atingiu apenas a CAP, mas castiga e pune todos os agricultores de Portugal, que já estão subjugados à sua ineficaz acção governativa desde 2019.

O Partido CHEGA, bem como o seu o Grupo Parlamentar, exigem assim, por todos os meios que a Ministra da Agricultura e Alimentação se retrate publicamente através de um pedido formal de desculpas à CAP e a todos os agricultores nacionais. Na ausência desta retratação pública, o Partido CHEGA ver-se-á impelido a cumprir o dever de solicitar ao Senhor Primeiro-Ministro a exoneração da Senhora Ministra da Agricultura e Alimentação, Maria do Céu Antunes.

Direção Nacional do CHEGA

Lisboa, 12 de Agosto de 2022

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !