CHEGA / Publicação atual

Comunicado sobre a pressão da Ministra da Saúde sobre os médicos e chefes de serviço por causa das férias

Chegou ao conhecimento da Direcção Nacional do Partido CHEGA, no dia 10 de Agosto, que o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) tinha divulgado o comunicado, “Assim não vai lá, Sr.ª Doutora” dirigido a Marta Temido.

Este comunicado acusa a Senhora Ministra da Saúde de fazer pessoalmente telefonemas aos Directores de Serviço, inquirindo-os por não terem suspendido as férias dos médicos especialistas ou substituírem directores clínicos por forma a conseguirem completar as escalas de serviço em colapso.

Posteriormente, fontes jornalísticas com identidade protegida foram citadas na comunicação social testemunhando que esses telefonemas inopinados foram conduzidos num tom de voz “exaltada” e “em pânico”, tendo, inclusive, a Senhora Ministra da Saúde responsabilizado o Diretor pela falta de médicos nas escalas. O Presidente do SIM, Dr. Jorge Roque da Cunha, confirmou as denúncias por parte de Diretores de Serviços hospitalares da ARS Lisboa e Vale do Tejo, de forma anónima para não colocar profissionais em causa.

Para o Partido CHEGA, a forma e o conteúdo destes telefonemas expõem uma Ministra da Nação que afinal não confia nas Comissões que nomeou para esta missão e está totalmente à deriva na sua acção governativa. Está desprovida duma linha de comando hierárquico funcional em quem possa delegar tais tarefas e ainda pratica uma descomedida forma de contacto com os quadros do SNS.

Pelo tom descrito e pelo conteúdo relatado, consideramos mesmo que estes telefonemas da Senhora Ministra aos quadros do Serviço Nacional de Saúde (SNS) não são menos que gravíssimos actos de assédio moral e profissional. São telefonemas que lembram o pior estilo da governação de José Sócrates e dos tiques autocráticos dos socialistas no poder absoluto. São telefonemas que passam, sem qualquer consideração hierárquica, por cima dos Senhores Secretários de Estado, por cima do Conselho de Administração da Administração Central do Sistema de Saúde, I.P., por cima das Administrações Regionais de Saúde (ARS) e por cima dos Conselhos de Administração dos Centros Hospitalares E.P.E. São telefonemas que geram desconforto e um clima persecutório, fazendo com que os profissionais apenas queiram fazer queixas anónimas do sucedido.

O Partido CHEGA, tanto através das intervenções do seu presidente, como através dos deputados do seu Grupo Parlamentar, já exigiu, em inúmeras ocasiões, a demissão da Senhora Ministra Marta Temido por manifesta incapacidade, ineptidão e falta de idoneidade no desempenho das suas funções. Aliás como à semelhança de várias organizações de profissionais de saúde (e.g. Sindicato dos Técnicos de Emergência Pré-Hospitalar (STEPH) e a Associação Portuguesa de Medicina Geral e Familiar (APMGF)).

Estes últimos graves acontecimentos vêm provar que o Partido CHEGA exigiu esta demissão ministerial com toda a razão, tendo sido evitável esta ingerência da ministra nos quadros dos Centros Hospitalares E.P.E.

Um Estado em que uma Ministra da Nação telefona, “exaltada”, a quadros superiores e dá reprimendas esperando que a admoestação seja ouvida em silêncio, é um estado despótico! Um Senhor Primeiro-Ministro que autoritariamente mantém no seu Governo uma ministra com este comportamento e desempenho, não querendo ouvir nem a oposição nem as organizações de profissionais de saúde, é um Senhor Primeiro-Ministro do “quero, posso e mando!”.

Na perspectiva do CHEGA, esta atitude da ministra mostra o autoritarismo evidente em que o PS caiu e está a exercer o poder, desde que obteve maioria absoluta.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !