CHEGA / Publicação atual

REDES VIÁRIAS no DISTRITO de COIMBRA

Hoje em dia, em algumas localidades e Concelhos do Distrito de Coimbra, assistimos ao abandono irresponsável de algumas redes viárias locais, municipais e nacionais.
O seu abandono reveste-se em vários âmbitos, desde a sua deterioração, à existência de sinalização deteriorada e/ou antiga (já em fraco estado de visibilidade), inadequada ou simplesmente tapada por vegetação, tornando-se severamente desumano e inexequível para os condutores que utilizam as referidas vias, principalmente em horário noturno.
Há a ressalvar a existência de pretensos rails de proteção, que de proteção só têm mesmo o nome que lhe atribuíram.
Há uma quantidade enorme de secções de rail’s num estado de degradação completa, quer pelo seu grau de antiguidade, quer pelo seu estado lastimável após sucessivos embates, quer por estarem simplesmente soltos. Com esta configuração, apenas poderemos dizer, que os mesmos colocam em constante perigo, quer os habituais condutores, quer os cidadãos que por essas estradas circulam.
Atualmente, verifica-se de fato, algumas intervenções ao nível de pavimentação, colocação de asfalto betuminoso, mas infelizmente, é apenas o que fazem.
Para exemplificar, o IC2 foi recentemente alvo duma requalificação a nível de pavimento, mas, apenas isso, porque as graves irregularidades ainda continuam. Para que haja uma maior sensibilidade, muitas dessas irregularidades, encontram-se agora “escondidas”. Por exemplo no sentido Norte Sul, existem depressões que para quem anda nessa IC e nesse sentido, são autênticas ratoeiras.
Sejamos mais, pragmáticos e imaginemos uma vítima que é transportada numa Ambulância de Socorro, a qual necessita de todo um conforto, que nem sempre é possível devido aos solavancos que sofre até à chegada do Hospital.
Lanço o repto aos RESPONSÁVEIS, quer das AUTARQUIAS, da COMUNIDADE INTERMUNICIPAL DA REGIÃO DE COIMBRA (vulgo CIM-RC) ou então das INFRAESTRUTURAS DE PORTUGAL, para que façam uma VIAGEM desde a saída da A14 até aos CHUC (Hospitais da Universidade de Coimbra), não no conforto do vosso carro, mas numa Ambulância, não a conduzir ou no lugar do pendura, MAS SIM DEITADOS NUMA MACA.

Texto.: Eliseu Costa Neves
Vice-Presidente da CPD de Coimbra
Conselheiro Nacional do Partido CHEGA
Origem.: Distrital de Coimbra

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !