CHEGA / Publicação atual

As DESIGUALDADES SOCIAIS sobem em PORTUGAL

Em Portugal a GALP lucrou mais de 153% sobre as margens de refinação dos produtos petrolíferos e os acionistas recebem milhões à custa da passividade do Governo, que não mostra vontade de intervir, regulando o mercado dos combustíveis.
Era suposto num governo socialista maioritário a intervenção do Estado para regulação do preço dos combustíveis, para equilíbrio da economia e evitar os efeitos multiplicadores dos preços altos em todos os sectores da atividade económica. Tal não se verifica, quer por os preços quanto mais elevados mais IVA arrecada o estado, quer por incapacidade política para intervencionar com medidas sérias e eficazes. Os preços disparam em toda a linha, em todos os sectores de atividade com resultados catastróficos, para as classes sociais (média e pobre).
As famílias estão a sentir cada vez mais dificuldades em alimentarem-se, em pagar as rendas de casa, e amortizações de empréstimos da casa ao Banco, as prestações da compra dos automóveis e outras despesas pertinentes como o estudo dos filhos, vestuário e calçado.
O Governo Socialista mantém-se apático. Fechou-se na concha de partido mais votado e em maioria absoluta na Assembleia da República, à espera que a onda passe, mas as ondas sucessivas de problemas vão continuar.
O partido Socialista no governo mostra uma tremenda incapacidade de resolver os problemas Nacionais, os de fundo e os pontuais e urgentes.
O partido Socialista no governo só serve para agravar problemas, pois não sabe nem quer resolvê-los. E os problemas de Portugal e dos Portugueses são muitos e graves em todas as áreas, e, em todos os sectores da vida Nacional, o PS no governo revela uma confrangedora incompetência, empurrando sistematicamente o Povo para a miséria económica e financeira, social e mental.
António Costa não consegue resolver nenhum problema, arrasta-os como desde a construção do novo aeroporto passando pelas infraestruturas ferroviárias, construção de parque habitacional e muitíssimos outos. Não consegue reorganizar as polícias as Forças Armadas, a Saúde, a Modernização dos Serviços Administrativos do Estado, proceder a uma descentralização a sério e eficaz de alguns poderes do estado centralizado.
Adia, e continua a adiar.
Não foi para isto que os Portugueses escolheram uma maioria absoluta.
Em vez de procurar resolver a alta de preços de energia que afeta significativamente os Cidadãos e as empresas, faz discursos de ataque a empresas elétricas, designadamente à ENDESA e com isto não resolve o problema mitigando os preços. Aliás Costa tem este mau hábito na altura crucial para resolver problemas sérios faz discursos propagandísticos procurando desviar a atenções dos cidadãos da questão real.
António Costa não resolve problema algum da vida portuguesa com golpes publicitários, mas só com o seu trabalho sério, mas só se, se dispor a fazer trabalho sério com os seus assessores.
Por Favor, Sr. Primeiro Ministro se não está interessado ou não consegue trabalhar com a sua equipa afincadamente para a resolução efetiva dos problemas Nacionais peça a demissão em bloco dando espaço a eleições, pois existem pessoas que, por Portugal e pelos Portugueses estão interessados em trabalhar afincadamente.
Viva Portugal, vivam os Portugueses, Viva o Chega!

Texto.: Carina Duarte
Origem.: Distrital de Coimbra

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !