CHEGA / Publicação atual

POLÍTICA PARA SERVIR A SOCIEDADE

Em 2015 cheguei à Assembleia da República, sem qualquer experiência política ou parlamentar.
Fui desafiada a desempenhar uma função com a qual nunca tinha sonhado, nem tão pouco alguma vez tinha pensado enveredar por uma carreira política. No entanto, tinha a certeza que queria trabalhar para ajudar as pessoas.
Durante alguns anos, achei que exercer advocacia me permitia fazer isso, e de facto continuo a achar que o trabalho dos advogados é muito meritório e é absolutamente fundamental na nossa sociedade. A verdade é que exercer advocacia foi muito importante para ter contacto com várias realidades e com os constrangimentos que muitas vezes são legais. Por exemplo, durante um certo período fui voluntária numa associação de proteção de vítimas de violência doméstica e aí tornou-se evidente que mesmo do ponto de vista legal havia (e há) ainda muito que melhorar. Com o tempo percebi, que para além do trabalho importantíssimo do terreno, é fundamental também o trabalho político e, portanto, a forma mais eficiente para ultrapassar barreiras legais ou vazios jurídicos, seria na casa da Democracia e foi desta forma que acabei por chegar à política.
Apesar da inexperiência, quando não temos medo de trabalhar e temos a noção do privilégio que é estar num lugar onde podemos
servir as pessoas e ajudar a melhorar a vida delas, a motivação quebra quaisquer barreiras. Só quem está na Assembleia da República sabe os seus meandros, a dificuldade que há para se aprovar uma lei, um requerimento, obter respostas, fazer-se ouvir, quando não se faz parte de um dos grandes Partidos.
É, por isso, necessária muita persistência e resiliência, características que reconheço hoje no Grupo Parlamentar do Chega e que, obviamente, com um trabalho ainda mais dificultado que reconhecia em André Ventura, enquanto Deputado Único e Líder de um Partido novo.
Não basta ser-se eleito, é preciso todos os dias honrar o voto daqueles que confiaram em nós ou no Partido ao qual pertencemos ou trabalhamos. E foi com essa seriedade que exerci na altura o cargo de chefe de gabinete, o mandato de deputada e hoje como assessora.
Independentemente do cargo ou função que exerça, o objetivo é sempre o mesmo: LUTAR POR UMA SOCIEDADE MAIS JUSTA.
Enquanto Deputada fiz o que pude, para ouvir aqueles que me procuravam para dar resposta às suas preocupações e anseios e tentar materializar essas respostas em iniciativas legislativas. Hoje, o que faço no Grupo Parlamentar do Chega é simplesmente, colocar ao serviço do mesmo os meus conhecimentos de Direito, mas também toda a experiência que fui adquirindo ao longo destes sete anos no Parlamento. E, de facto, para além do trabalho parlamentar ser muito intenso e sem tempo para férias, também é muito enriquecedor. Todos os dias conhecemos situações, pessoas, causas e todas elas têm alguma coisa para nos ensinar. Depois cabe a cada um de nós decidir o que fazer com o conhecimento que tem, eu escolhi colocá-lo ao serviço dos cidadãos.
Tenho dúvidas que todas as pessoas que estão na política estejam pelas melhores razões ou apenas por razões altruístas, mas sei que o Dr. André Ventura está, assim como os restantes Deputados eleitos pelo Partido, por isso, o meu compromisso é para com eles, para com os eleitores do Chega e para com a Democracia.

Texto.: Cristina Rodrigues
Ex-Deputada na Assembleia da República
Assessora Jurídica do Grupo Parlamentar

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !