CHEGA / Publicação atual

SÉNIORES, qual a ABERTURA ao Partido CHEGA?

A faixa etária a partir dos 70 anos está, na minha ótica, aberta ao Partido CHEGA.
Sem subestimar ninguém, são essas pessoas que têm uma experiência e vivência que as leva a tirar conclusões desapaixonadas, que os mais jovens não têm.
Conheceram o antes e o depois do 25 de Abril e, grande parte, são vítimas destes 48 anos que nada acrescentaram à generalidade dos cidadãos, quer no que toca ao plano material, quer aos valores morais. Há a sensação que a sociedade está a entrar numa fase em que não se vislumbra nada de bom nem promissor.
Os que fogem a este grupo são os que, duma maneira ou de outra, se movimentaram pelos meandros dos partidos ou do compadrio, tendo em vista, somente, agendas pessoais.
É verdade que neste grupo etário, a que me orgulho de pertencer, há pessoas que se acomodaram, que se limitam a ouvir o que a Comunicação Social lhes vende e que, por isso, adotaram a postura “mal por mal deixa andar”. Esta forma de estar, nada tem a ver com mais ou menos formação académica. São situações completamente diferentes, a Cultura e o questionar o que se passa à nossa volta, e a Formação Académica.
Perante isto e, chegado o momento de votar, as pessoas ou não vão ou caem sempre para o mesmo lado na convicção de que é tudo a mesma coisa, valem todos o mesmo.
Foi essa a visão que a experiência de quase 50 anos, fez nascer.
Assim sendo, acredito que é um grupo que temos de acompanhar dando-lhes a certeza da nossa vontade de mudar de paradigma sem interesses pessoais, mas tendo em vista a melhoria da qualidade de vida dos cidadãos em especial dos mais fragilizados.
Desconstruir a ideia que têm tentado fazer passar, de que somos um partido Racista, Xenófobo, Fascista, através do exemplo, não excluindo, mas integrando.
Aliás isso é evidente nas nossas ações de rua, em que as pessoas de todas os segmentos e etnias nos abordam com entusiasmo e respeito, salvo pequenas e raras exceções… que são tratadas mesmo como exceções.
É uma prioridade, estabelecer nos mais idosos, a confiança na segurança pessoal dos cidadãos que está pelas ruas da amargura, não por culpa das forças de segurança, mas, porque estão mal alocados e os que integram a polícia de proximidade não podem chegar a todo o lado.
Fazer reavivar o nosso empenho em REPOR OS VALORES, pelos quais uma sociedade evoluída se deve pautar, sobretudo no que toca à SOLIDARIEDADE e no INVESTIMENTO no tão falado “ENVELHECIMENTO ATIVO”, mas que não passa de palavras, porque na prática é precisamente o contrário: empurram se as pessoas para o ISOLAMENTO, um limitado contacto com o mundo e com a realidade.
Devemos ser nós, nos nossos contactos diários, que devemos ir dizendo às pessoas que o abstermo-nos não é solução para nada. Temos de participar e ter voz ativa no que se passa à nossa volta. E mais, temos essa RESPONSABILIDADE, se não for por nós, pelos nossos filhos e NETOS.
Que não tenham eles, pela nossa inação, continuar a travessia deste deserto sem que se vislumbre o Oásis.
Esse oásis, neste momento, só pode ser o CHEGA.

Texto.: Maria José Lopes, Militante.

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !