CHEGA / Publicação atual

UM PAÍS VIRADO DO AVESSO

Portugal, um “RETÂNGULO” com pouco mais de 92.000 Km2, e mais de 10 milhões de habitantes, dos quais, aproximadamente 1,8 milhões, são menores de 20 anos, cujo FUTURO está completamente PENHORADO e alienado à falta de pensamentos e atos heroicos, que um dia fizeram de Portugal um PAÍS com GRANDE CONTRIBUTO PARA A HISTÓRIA MUNDIAL.
Neste País, QUE TRABALHA, CONSTITUI EMPRESAS, GERA EMPREGO direto e indireto, é castigado com mais de múltiplos impostos, uns sobre outros, que ninguém ou poucos entendem.

Na EDUCAÇÃO, somos pais, mas não usufruímos como pais.
Quem trabalha não tem horário para cuidar dos filhos como deve ser, nem se pode dar ao luxo de os ir buscar para almoçar, ou para os ir buscar no final dos tempos letivos.

Resta-nos, pedir “esmola” ao Estado para que lhes deem as refeições, e que inventem mais umas componentes para os manter dentro dos portões escolares, até que se possa ir buscar as crianças, dando asas e libertinagem a quem deles cuida, para lhes falar de temas com os quais, pelos mais variados motivos possamos ou não concordar.

Á escola cumpre o dever de ensinar, e não de formatar. As escolas devem dar as cores para cada um poderá pintar o céu conforme melhor o acharem, e não dizer que o céu é azul fazendo assim as crianças ficarem limitadas e não quererem ver e ou recriar o nascer ou pôr de Sol em que o céu ganha tonalidades de todas as cores.

A HUMANIDADE tem várias cores, raças, religiões e cada uma tão especial e única que não deve ser castrada, apenas respeitada e orientada para as mudanças.
Nas escolas o dever de orientação entre escola-casa e casa-escola é fundamental para ensinar alunos a terem futuro, e não a esperarem que o futuro os abrace e lhes caia no colo a fruta se nem a árvore abanaram.

Neste país, quem estuda tem que lutar pelo seu futuro, quem não quer estudar, atribui-se um subsídio, vão tirando cursos em cima de cursos e assim continuam a receber subsídios até que um dia acabe ou não….

Quando é que os restantes milhões de portugueses, irão exigir bons ordenados, que com os quais possam viver e poupar para eventualidades futuras, inclusive a VELHICE!

Para desta forma os subsídios acabarem, há que se ensinar a “pescar”, em vez de dar peixe, temperos, grelha, lume, que cada um poderá usar da melhor forma, mesmo que se tenha de orientar no tempero ou na intensidade do lume.
Só assim se criará uma sociedade de TRABALHADORES e não de SUBSÍDIO-DEPENDENTES.

Na SAÚDE, morre gente até nos jardins dos hospitais, como é possível estagnar a saúde durante dois anos? É uma área já por si coxa, e após este período, tornou-se perneta, maneta e com apenas 50% de visão.
Os médicos não chegam para as necessidades, os enfermeiros não são suficientes e os baixos ordenados, não dão para pagar acompanhamento no privado, no entanto, os que podem pagar no privado, entopem os primeiros lugares do serviço, pois tem lá o compadre CUNHA.

Foi necessário um Militar Português, para se fazer história na Europa como o país mais VACINADO, mas infelizmente, é também o país com a MAIOR TAXA de MORTALIDADE, em meses consecutivos desde que há memória. Infelizmente até os jovens foram negligenciados.

Já não bastava nestes últimos anos, quer os seus, ou seja, os nossos direitos serem completamente supridos por causa de uma única doença. Como se ainda não bastasse, impingiram um papel como se do Santo Graal da Saúde se tratasse.
Desculpem a expressão, mas… “Oh Povo por que te deixas ser tão ignorante…”

Atualmente, ver e ler notícias, é deixar abertas as janelas e escancaradas as portas, para que sejamos bombardeados de assuntos que no passado seriam crimes, e atualmente é-nos dado a conhecer, numa versão histórica, que se andarmos para trás nesses mesmos meios, encontramos relatos que nos contam as situações duma forma completamente diferentes.
Assim, apenas nos induzem e conduzem, a tomar posições excessivas e formas não muito aceitáveis, levando-nos a “odiar situações”, que se calhar não serão para odiar, mas sim para entender, sem escolher nenhuma parte envolvida.
Por exemplo, uma mulher abandona um recém-nascido no lixo, entregue a uma morte quase certa, e é uma vítima. Não digo ela não o seja, mas há tantas e variadíssimas formas de resolver as situações, tantas Instituições e Entidades que prestam apoio a “Vítimas”. Mas eu sei, que muitas vezes, impera a VERGONHA.

Somos um PAÍS DE EMIGRANTES. Todos os dias, saem do nosso país centenas, para não dizer milhares de conterrâneos, em busca de melhores condições de vida a nível salarial, visto que por cá o valor salarial atribuído é diminuto, muitas das vezes a rondar valores vergonhosos.
Há que entender, que com bastantes sacrifícios pessoais e muitas vezes familiares, o que se consegue além-fronteiras, nunca o conseguiriam a trabalhar cá uma vida inteira.
Partem, deixam família, e quando lá chegam têm de adaptar a uma realidade completamente diferente, há que aprender rápido uma língua nova, adaptar-se a um modo de vida completamente diferente.

Em Portugal é completamente diferente, quem cá chega, acha que por direito tem de “impingir” a sua língua, hábitos, religião, etc.
Chegam e querem usar piscinas públicas, vestidos com as roupas que usam na rua, e não é com a roupa interior, é mesmo a roupa de rua…
Se por acaso, alguém os convida a “adaptarem-se”, mediante explicação, SOMOS APELIDADOS DE RACISTAS e XONÓFOBOS…

Atravessamos uma ÉPOCA deveras ESTRANHA, em que as POLÍTICAS COMUNISTAS-MARXISTAS e DITADURAS SOCIALISTAS, tomaram conta da nossa sociedade PORTUGUESA, em contraciclo com o resto da Europa que as EXPULSOU das suas FRONTEIRAS. Somos o único país da Europa onde ainda existe um Partido COMUNISTA-MARXISTA…

Circula por aí, e até já foi alvo de um Artigo de Opinião dum reconhecido Jornal Nacional, uma célere frase saída do Fórum Mundial Económico… Uma reunião de elites afortunadas que se celebra anualmente em Davos na Suíça… Que diz (“…não terás nada e serás feliz…”).
Que utopia tão miserável, pois alguém terá tudo, e ZÉ POVINHO nada terá. Os poucos que tiverem a sorte de os servir terão contrapartidas de os servir, seja de uma maneira ou de outra…

Neste pedaço de terra à beira-mar plantado, estamos adiantados, por exemplo.:
Adquires um terreno, suportas todas as despesas à compra inerente.
Ficas feliz, és proprietário de um terreno em que queres construir a tua casa.
ACORDA fazes a casa que eles te deixam fazer, pintas da cor que eles te deixam pintar, só aqui já pagaste uma quantidade LOUCA de IMPOSTOS, e és TU que PAGAS tudo do teu bolso.

SE NÃO CUMPRIRES O QUE DITA O ESTADO… SABES ONDE IRÁS PARAR?
Ou, ainda achas que vives numa DEMOCRACIA, em LIBERDADE?

Por Portugal e pelos Portugueses, a Mudança exige-se.

Texto.: NEUZA OLIVEIRA (cidadã PORTUGUESA)

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !