CHEGA / Publicação atual

Plano de Emergência e Salvação Nacional

O plano de medidas apresentadas pelo Governo ganhou vários títulos desde que foi apresentado.
Desde “roubo”, “embuste”, “farsa”, “tardio”, “insuficiente” e “fraude”, ouviu se um rol de adjetivos passíveis de fazer uma longa lista.
Depois de ter sido chacoteado de todas as direções, o Governo veio provar que, afinal, está mesmo a governar sozinho, em poder absoluto e de modo autoritário, sem promover o diálogo de todas as forças, como havia afirmado em contrário o primeiro-ministro, em janeiro deste ano. E, na verdade, está igualmente longe de garantir consensos.

A missão de virar a página da pandemia poderá estar por ora aparentemente controlada, mas de facto, o mesmo não se pode afirmar quando se fala na recuperação de todos os sectores afetados da sociedade portuguesa. O Governo encontra se a milhas de distância quando se fala em resolver qualquer tipo de assunto com caráter de urgência.
Dignas de roçar o ridículo, as medidas apresentadas pelo Governo não trazem uma migalha que seja na recuperação do poder de compra, e em áreas como a educação, as despesas gerais, a saúde, a habitação, entre outras de igual importância para que Portugal consiga dar um passo positivo.

Assim, o CHEGA, vem por este meio apresentar as vinte medidas que considera fulcrais e justas no contexto em que nos encontramos, tomando os passos essenciais não só com o intuito de uma recuperação possível e sustentada no contexto português imediato, mas a pensar no futuro.

Consultar as 20 Medidas (PDF)

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !