CHEGA / Publicação atual

11 DE SETEMBRO PORTUGUÊS

Há 37 anos, no dia 11 de setembro de 1985, Mangualde assistia ao pior acidente ferroviário registado no nosso país.
O conhecido “ACIDENTE FERROVIÁRIO DE ALCAFACHE” que fez um número incalculável de vítimas que até hoje (11/09/2022) ainda não foram apurados os números corretos.
O “11 de Setembro português” foi igualmente trágico como o dos Estados Unidos (2001). Poucos sabem, e outros tantos se esquecem do nosso 11 de setembro, pois é mais fácil recordar um ato de terroristas que a nossa própria história! Damos muito mais importância aos outros e ao que acontece fora daqui, que às verdadeiras necessidades e problemas internos, quer localmente, quer a nível distrital ou nacional.
Ao final da tarde do dia 11 de setembro de 1985, aconteceu na linha da Beira Alta um terrível e marcante acontecimento na história dos Caminhos de Ferro em Portugal e da Europa.
Terá sido em princípio, um erro de comunicação, via telefone, entre os chefes de estação de Nelas e do apeadeiro de Moimenta de Maceira Dão-Alcafache que colocou em rota de colisão os comboios envolvidos.
Na linha, de uma única via, seguia o comboio regional que tinha saído da Guarda com destino a Coimbra e em sentido contrário, a composição Sud-Express que tinha saído do Porto com direção a Vilar Formoso com destino a Paris. Houve uma paragem na estação da Pampilhosa/Mealhada onde mais de metade da lotação foi preenchida por cerca de 150 passageiros da REGIÃO CENTRO e em especial do DISTRITO DE COIMBRA e AVEIRO. Entre os 460 passageiros que viajam nas duas composições ferroviárias, MUITOS ERAM EMIGRANTES que regressavam a FRANÇA.
Por volta das 18 horas e 37 minutos os dois comboios chocaram frontalmente e com tamanha violência que provocaram uma série de explosões, causando bastantes feridos e algumas dezenas de mortos.
Esta tragédia deixou vítimas por identificar e que, até hoje, foram dadas como desaparecidas, impedindo até ao dia de hoje os seus familiares poderem realizar o luto e darem um digno sepultamento aos seus entre queridos.
A CP assumiu o pagamento dos funerais (das vítimas identificadas), os tratamentos aos feridos e agilizou o processo de indemnizações a todos os que foram vítimas do acidente.
Ainda hoje sou “vítima” deste acontecimento, porque um dos revisores que tinha entrado na Pampilhosa e iria até Vilar Formoso era meu familiar, assim como dois outros passageiros que iriam até Paris e os 3 estão no lote dos desaparecidos, que ficaram encarcerados, e por consequência carbonizados em cinzas.
Enquanto não nos valorizarmos internamente, dificilmente iremos voltar a prosperar!
ESQUECER O PASSADO, É APAGAR O FUTURO!

Texto.: Jorge Cardoso
Militante Distrito de Coimbra

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !