CHEGA / Publicação atual

Requerimento para a audição da Ministra do Trabalho, Segurança Social e Inclusão

ASSUNTO: Requerimento para audição da Ministra do Trabalho, Segurança Social e Inclusão, audição da Comissão para a Diversificação das Fontes de Financiamento e Sustentabilidade da Segurança Social, e audição dos técnicos que realizaram os cálculos sobre o impacto do aumento das pensões

Exma. Senhora. Presidente,

O Governo estabeleceu no âmbito do Decreto-Lei n.º 57-C/2022 de 6 de setembro as medidas excecionais de apoio às famílias para mitigação dos efeitos da inflação sita em agosto de 2022 em 9.3 %. De entre as medidas referidas foi anunciando que os pensionistas viriam a receber um suplemento extra equivalente a meio mês, pago de uma única vez no mês de outubro.

O pacote de apoios às famílias aprovado pelo Conselho de Ministros extraordinário veio prever ainda um aumento entre 4,43% e 3,53% aos pensionistas, em função do valor da sua pensão. No entanto, como foi referido pelo Ministro das Finanças, Dr. Fernando medina, as pensões de valor mais baixo não vão ter em 2023 o aumento extraordinário que aconteceu ao longo destes últimos anos. Neste conspecto, certo é que a partir de 1 de janeiro de 2024, as pensões não incluirão a parte do valor da atualização de 2023 a pagar de uma só vez em outubro. Pelo que o aumento anunciado não se reveste de verdade, consubstanciando sim uma antecipação do que deveria acontecer no próximo ano e que já não vai acontecer.

Estimando-se assim que os pensionistas terão no mínimo uma perda anual de cerca de 250 euros com a atualização das pensões no próximo ano numa percentagem inferior à que resultaria da fórmula prevista na lei. Com isto, o poder de compra dos pensionistas ficará altamente comprometido, o que não deveria suceder e vem contrariar a tendência das medidas aplicadas no combate à subida da inflação por outros países europeus.

Com efeito, o relatório sobre a avaliação do impacto do aumento das pensões na sustentabilidade financeira da Segurança Social elaborado pelo Gabinete de Estratégia e Planeamento (GEP) do Ministério do Trabalho e da Segurança Social, e enviado ao parlamento em nada corresponde à realidade. Ora, se não vejamos, a sustentabilidade da Segurança Social não está em causa nem poderia estar, pois o Governo está a usar o dinheiro do Orçamento Geral do Estado e não o dinheiro do orçamento da Segurança Social para fazer o referido aumento extraordinário prometido para outubro.

Tendo por base o alarmismo social criado junto dos pensionistas e da sociedade civil pela forma ludibriosa como o Sr. primeiro-ministro e o seu Governo apresentaram o apoio extraordinário dos pensionistas e a atualização das reformas e com o principal objetivo de acalmar o alarmismo social referido é da mais elementar pertinência dissipar qualquer dúvida que recaia sobre tão importante matéria para a vida destas concretas pessoas.

Pelo exposto, ao abrigo das disposições legais e regimentais aplicáveis, o Grupo Parlamentar do Partido CHEGA vem requerer a audição em comissão da Exma. Senhora Ministra do Trabalho, Segurança Social e Inclusão, da Comissão para a Diversificação das Fontes de Financiamento e Sustentabilidade da Segurança Social e dos técnicos que realizaram os cálculos sobre o impacto do aumento das pensões

Palácio de S. Bento, 20 de setembro de 2022

Os Deputados do GPCH,

Jorge Galveias

Rui Afonso

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !