CHEGA / Publicação atual

Os problemas da JUVENTUDE de HOJE, e as DIFICULDADES na EDUCAÇÃO

A passada semana foi, para milhares de estudantes portugueses, a sua primeira semana de aulas no Ensino Superior.
Começar um semestre, voltar às rotinas após um período de férias, é sempre difícil. Mas, como o é para nós, também o foi para os nossos pais e para as gerações que nos antecederam. Faz parte.

Mas para tantos jovens e suas famílias, o grande problema não se encontra tanto no recomeço do ano letivo ou o nervosismo inerente aos primeiros dias de aulas. Para muitos deles, o semestre começou logo reprovado quando, olhando para os locais onde ficaram colocados, perceberam que arranjar casa, pagar despesas e propinas, não ia ser tarefa fácil.

Os dados que ficámos a conhecer esta semana são chocantes. Demonstram-nos como o panorama habitacional para um jovem português, que esteja deslocado da sua residência, é hoje muito pior do que era há uns anos.

A oferta reduziu cerca de 80%: isto é, em cada 10 quartos que no ano passado existiam para arrendar, hoje só existem 2. Não é preciso ser economista para perceber o básico; reduzindo drasticamente a oferta e mantendo-se elevada a procura, naturalmente que preços aumentaram exponencialmente. Este ano, particularmente, o preço médio de um quarto para arrendamento para jovens estudantes, fixa-se nos 294€. Mas todos nós sabemos como as estatísticas valem o que valem e há hoje muitos casos que nos são conhecidos, de jovens a pagar valores na casa dos 400 e 500 euros, por uns míseros metros quadrados.

Tudo isto, aliado ao estado lastimável em que se encontra a economia do país, onde o custo de vida subiu abruptamente, e onde tudo, de há uns meses a esta parte, ficou mais caro, tornam dramática a situação para muitas famílias, que se vêm obrigadas a fazer opções. Ou comida na mesa, ou os estudos dos seus filhos. E tantos são os jovens que no primeiro semestre se vêm obrigados a ir trabalhar, por não puderem custear as despesas inerentes a uma licenciatura.

O pano de fundo onde se desenrola este triste filme é o da MAIORIA ABSOLUTA SOCIALISTA, apenas obtida há uns meses. Em vez de resolverem os problemas dos portugueses com os quais, supostamente, se tinham comprometido, em vez de cumprirem as metas estipuladas e o que os próprios aprovaram no Orçamento de Estado para este ano, só afundam ainda mais as famílias e os jovens portugueses.

É certo que, por enquanto, o Partido CHEGA, ainda não é governo. Por isso, a missão que tem de cumprir ao longo da actual legislatura é a de ir escrutinando escrupulosamente o que é que o governo faz. Foi para isso que o povo mandatou o seu Grupo Parlamentar. Foi para isso também, que tantas famílias e tantos jovens, que têm de optar entre uma licenciatura e um trabalho precário, nos mandataram para fazer. Dizer o que tem de ser dito, chamar a atenção quem tem de ser chamado, propor novos caminhos e ir abrindo os olhos às pessoas para o estado em que o socialismo tem deixado o país.

Da nossa parte, da parte da JUVENTUDE CHEGA podem ter uma certeza: cá estaremos para luta. Por Portugal, para melhorar a vida dos portugueses. Para que possamos ser um país para os jovens: não na teoria, nos discursos bonitos ou nos relatórios encomendados, mas na prática, no quotidiano, no país real. É por isto que devemos estar na política, não por mais nada.

Texto.: Rui Cardoso
Direção Nacional da JCH

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-13h00 e 14h30-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Email Geral: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !