CHEGA / Publicação atual

André Ventura pede a demissão de Augusto Santos Silva

O líder do Chega considera que se o presidente da Assembleia da República se mantiver no cargo a “tranquilidade democrática” vai estar ameaçada. Ventura espera que Santos Silva se demita antes disso.

André Ventura considera que Augusto Santos Silva devia ter “coragem” e “pedir a demissão”. As declarações do líder do Chega surgem na sequência da intervenção do presidente da Assembleia da República, que esta quarta-feira voltou a dizer que “não é tolerável que a Assembleia da República ou qualquer outra instituição da democracia portuguesa seja palco para discursos de ódio” — mais uma referência indireta a Ventura.

Em declarações ao Observador, o líder do Chega vai direto ao ponto. “Acho que em vez de estar contente com o comportamento que tem tido e em vez de ir levar isso como um reflexo dos valores de Abril, Santos Silva devia ter a coragem de se demitir no início desta sessão legislativa”, atira André Ventura.

Na perspetiva do líder do Chega, Santos Silva deve dar lugar a outros deputados para que possa existir alguma “tranquilidade democrática” até ao final desta legislatura. De resto, Ventura antecipa que se o atual presidente da Assembleia da República se mantiver no cargo, o Parlamento vai continuar “de conflito em conflito”. Para Ventura, a atitude de Augusto Santos Silva tem sido “prepotente, arrogante e conflituosa” e isso deveria fazer com que o próprio repensasse o seu lugar no Parlamento.

Fonte: Observador

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp
Share on email
Email

Partido Político CHEGA
Rua Miguel Lupi 12 - 1ºdrt.
1200-725 Lisboa
Contacto Sede: 213 961 244 – das 10h00-19h00
Assessoria de Imprensa: 934 454 043
Protocolo e Eventos: [email protected]

Política de Privacidade
Responsável pelo tratamento de dados: [email protected] Finalidade do tratamento: inscrição e gestão da condição de futuro militante no chega, em observância do art.º 9.º, n.º 2, al. D), do regulamento geral sobre a proteção de dados (RGPD). Os dados pessoais do futuro militante são objecto de processamento informático e de utilização no âmbito das actividades das estruturas internas e autónomas e diferentes candidaturas eleitorais internas de futuros militantes recebidas, nos termos que vierem a ser definidos dos estatutos e dos regulamentos eleitorais do chega, com a garantia de não serem divulgados a outras entidades para outras actividades que não se enquadrem no âmbito da declaração de princípios e das actividades do chega. Caso se venha a equacionar a cedência de dados a terceiros para uma finalidade legítima, tal carecerá sempre da obtenção prévia do consentimento do futuro militante. Prazo de conservação: os seus dados serão conservados enquanto perdurar a constituição do partido e, posteriormente, a condição de militante e, caso se aplique alguma norma estatutária ou regulamentar que implique a conservação dos dados para lá desse momento, nomeadamente de ordem disciplinar, até ao final do prazo estatutariamente ou em regulamento previsto para a efectivação dessa norma. Direitos dos titulares: o titular dos dados pode exercer os seus direitos de acesso, rectificação, oposição, apagamento ou limitação dos seus dados pessoais, nos termos do RGPD, devendo, para o efeito, remeter o seu pedido, por escrito, para [email protected] Direito de queixa: caso assim o entenda, o titular dos dados tem o direito de apresentar queixa junto da comissão nacional de protecção de dados. Encarregado de protecção de dados: em cumprimento do RGPD, o encarregado da proteção de dados pode ser contactado através do endereço eletrónico [email protected]

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !