3ª Reunião do Conselho Consultivo do Distrito de Coimbra

Reuniu pela 3ª vez, o Conselho Consultivo do Distrito de Coimbra.
Órgão constituído pelos Membros de Assembleias Municipais e de Freguesia legalmente eleitos por sufrágio, Coordenadores dos Grupos de Trabalho Concelhios, Coordenadores de Grupos de Trabalho Temáticos e futuramente, por todos os que possam acrescentar valor às Tomadas de Decisão e Estratégias Políticas no Distrito de Coimbra.
Na Ordem de Trabalhos, foram debatidas temáticas que vão desde a Organização Interna, à situação das Infraestruturas Rodoviárias e a casos de Corrupção Ativa e Passiva nos Municípios do Distrito de Coimbra.
Bem Haja a todos os presentes e também aos ausentes, pelo v/ Contributo.

Homenagem aos pilotos aviadores da Força Aérea

A única forma que temos de HOMENAGEAR quem fez parte da nossa História, é RELEMBRAR quem por nós se sacrificou, quem por nós lutou, para que hoje em dia a LIBERDADE e a DEMOCRACIA, sejam PILARES INTRÍNSECOS de PORTUGAL.

Passam exatamente 67 anos sobre a queda de 8 Aviões F-84, sobre a Serra do Carvalho, onde se perderam 8 vidas, que apenas queriam naquele dia, contribuir para a celebração do 3º Aniversário da Força Aérea Portuguesa.
Em forma de HOMENAGEM, foi colocada uma COROA DE FLORES, em tons de Vermelho e Verde, Símbolo da Bandeira Portuguesa e do sacrifício das vidas perdidas.
Ficam aqui os nomes dos Homens Tombados:
1 – Tenente António Albino Rocha Mós, 26 anos;
2 – Alferes Alfredo Fernandes Ventura Pinto, 25 anos;
3 – Alferes José Nobre Guerreiro Bispo, 25 anos;
4 – Alferes Henrique Ferreira Pinto Howell, 25 anos;
5 – Sargento Fernando da Silva Santos, 25 anos;
6 – Furriel Diniz Lopes Alves Martins, 24 anos;
7 – Furriel António Carvalho, 24 anos;
8 – Furriel Danilo Martins da Fonseca, 21 anos.

Além desta iniciativa, foi enviada para a Assembleia da República um Pedido de NOTA DE PESAR, para que neste dia (01/07/2022) fosse feito:
a) Um minuto de silêncio, em honra de todos estes Pilotos Aviadores que pereceram em serviço, bem como todos os outros falecidos na Guerra do Ultramar;
b) Atribuição de uma Condecoração a Título Póstumo a todas as famílias enlutadas (destes Pilotos), em virtude dos serviços prestados à Nação Portuguesa;
c) Colocação duma Coroa de Flores do Partido CHEGA, em memória de todos quantos pereceram em Combate e em Acidentes Militares.

Santos Silva rejeitou projeto de lei do Chega sobre prisão perpétua

Augusto Santos Silva disse esta tarde no Parlamento que não tinha admitido um projeto-lei apresentado pelo Chega sobre prisão perpétua por considerar que o mesmo viola “flagrantemente a Constituição da República”. O presidente da Assembleia da República respondia a André Ventura que momentos antes afirmara: “Acabo de saber que não admitiu mais um projeto do Chega à discussão, um mau sinal para si, é uma má prática política que não dignifica a Assembleia da República.”

Em causa está um projeto de diploma que prevê a pena de prisão perpétua para crimes de homicídio praticados com especial perversidade, nomeadamente contra crianças, apresentado no passado domingo pelo partido liderado por André Ventura. “O Chega espera unidade à direita sobre esta matéria, visto que a realização da justiça deve ser um objectivo comum deste espaço político não socialista”, referiu então o partido, em comunicado.

Fonte: Jornal de Negócios

Intervenção do Deputado Municipal Augusto Louro Miranda

No passado dia 28 de junho, decorreu a Assembleia Municipal Ordinária em Mira, com a presença do Membro de Assembleia Municipal do Partido CHEGA, Augusto Louro Miranda, .

Nas suas duas excelentes intervenções, ficaram as seguintes questões.:

a) A Arte Xávega, é o ex-libris do Concelho de Mira, o que é que tem sido feito para a sua preservação? Que tipo de apoios sugerem para a manutenção desta arte, que não deixa de também ser parte da nossa história.

b) A nível de Transportes Públicos, apenas estamos servidos pela Rede de Expressos Rodoviários, assim sendo, para quando a Conclusão das Obras da Paragem junto à Antiga Cooperativa, visto que a forma como se processa atualmente o embarque de passageiros é deveras perigosa.

c) As Plantas infestantes ou invasoras (por ex: Erva das Pampas e as Acácias), são um problema bastante preocupante no Concelho de Mira, devido á sua forma rápida de propagação. Fica a questão, sobre que soluções já encontraram ou pretendem encontrar, para combater esta propagação?

d) No Concelho de Vagos, tem sido discutido a construção de um Empreendimento Marina para a Vagueira, que implicações terá no canal de Mira?

e) Qual o destino do Saneamento dos Bares e apoios de praia?

Chega avança com moção de censura ao Governo

O líder do Chega disse ter comunicado esta iniciativa do seu grupo parlamentar ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa

O presidente do Chega, André Ventura, anunciou hoje a apresentação de uma moção de censura ao Governo, uma iniciativa que está à partida chumbada dado que o PS dispõe a maioria absoluta dos deputados à Assembleia da República.

André Ventura justificou a apresentação de moção de censura com um conjunto de situações que passam pelo “caos absoluto na saúde”, as opções do Governo face ao aumento dos preços dos combustíveis, culminando no “ato politicamente mais grave” envolvendo o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, que, disse, “acabou politicamente” na quinta-feira.

“Se forem substituídos os ministros da Saúde e das Infraestruturas, o Chega retirará a moção de censura”, declarou André Ventura numa conferência de imprensa na Assembleia da República no dia em que começa o 40.º Congresso do PSD e em que, por esse motivo, não há trabalhos parlamentares.

O líder do Chega disse ter comunicado esta iniciativa do seu grupo parlamentar ao Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, e ao presidente da Assembleia da República, Augusto Santos Silva.

Fonte: Expresso

Chega pede demissão do ministro Pedro Nuno Santos

O presidente do Chega pediu hoje a demissão do ministro das Infraestruturas, considerando que Pedro Nuno Santos não tem condições para continuar no Governo depois de ter sido “desautorizado politica e expressamente” pelo primeiro-ministro.

Em declarações aos jornalistas na Assembleia da República, em Lisboa, André Ventura defendeu a “impossibilidade da continuação de Pedro Nuno Santos como ministro deste Governo”.

“Após o conhecimento do que tivemos hoje, em que o primeiro-ministro desautoriza política e expressamente o seu ministro das Infraestruturas, eu penso não há nenhuma condição para que Pedro Nuno Santos continue como ministro da República”, sustentou.

O líder do partido de extrema-direita considerou também que se o ministro das Infraestruturas e da Habitação “não se demitir por si próprio, não haverá muito mais condições para que não seja demitido pelo primeiro-ministro”.

Para Ventura, a “responsabilidade é de António Costa, que já devia ter substituído Pedro Nuno Santos após ter tido maioria absoluta, neste novo Governo”.

“Não o fez, optou por mantê-lo, tentando sanar conflitos internos no PS e o que acontece agora? Os conflitos internos do PS vão passar para conflitos ministeriais e para conflitos no âmbito do Governo”, assinalou.

Fonte: SAPO

O que é SER e SENTIR ser COMANDO

Os Comandos são por definição forças de combate ligeiras, não blindadas, vocacionados para operações convencionais de natureza eminentemente ofensiva. Têm capacidade de projeção imediata, elevada capacidade técnica e tática, grande flexibilidade de emprego e elevado estado de prontidão, capitalizando a surpresa, velocidade, violência e precisão do ataque, como fatores decisivos.
SOMOS forças especialmente selecionadas, organizadas, treinadas e equipadas, que utilizamos técnicas e modos de emprego não convencionais, para o cumprimento de OPERAÇÕES ESPECIAIS.
SOMOS tropas especiais, que desenvolvem um largo conjunto de competências que nos permite responder às necessidades de empenhamento operacional a nível nacional e internacional de forma eficiente e eficaz.
SER um COMANDO operacional NÃO É PARA QUEM QUER, MAS SIM PARA QUEM PODE.
Muito espírito de SACRIFÍCIO e VONTADE DE VENCER
Mama Sumae

Texto.: Jorge Pereira

Chega afirma que decisão do Governo para novo aeroporto mostra “desrespeito ao parlamento”

André Ventura lamentou igualmente “que os partidos não tenham sido informados” e disse ter recebido pela comunicação social.

O presidente do partido Chega acusou esta quarta-feira o Governo de um “desrespeito muito grande” para com o parlamento ao anunciar a nova estratégia aeroportuária e lamentou que os partidos não tenham sido informados da decisão.

Em declarações aos jornalistas na Assembleia da República, em Lisboa, André Ventura afirmou que “havia um consenso com o parlamento” porque estava “um processo de avaliação ambiental em curso” que “foi acordado com o parlamento”.

O Governo decidiu avançar com uma nova solução aeroportuária para Lisboa, que passa por avançar com o Montijo para estar em atividade no final de 2026 e Alcochete e, quando este estiver operacional, fechar o aeroporto Humberto Delgado.

“É um desrespeito muito grande ao parlamento que o Governo unilateralmente decida quebrar uma avaliação ambiental e decida simplesmente pelas suas próprias palavras e pelas suas próprias ações fazer o que acaba de acontecer”, criticou.

Fonte: Correio da Manhã

Este ministério ensina pouco e educa ainda pior

 “O sistema que coloca à prova estes jovens falhou em todo este processo e continuou a falhar quando, no início do 3.º período, ainda existiam 28 mil alunos sem professores a todas as disciplinas, algumas delas disciplinas de exame.”
 A nossa mandatária da Juventude e deputada da Nação, Rita Maria Matias, escreveu mais um artigo de opinião para o semanário o Novo.
 Em altura de exames nacionais, não podíamos deixar passar ao lado, o vergonhoso estado a que chegou o Ensino em Portugal. Como escreve Rita Matias, “os alunos portugueses estudam em condições díspares, até ao nível das instalações”, observando casos onde na “mesma cidade coexistem escolas com infra-estruturas recentes e liceus onde chove dentro dos edifícios ou onde é impossível climatizar os contentores “provisórios” que servem de sala de aula.”
 Isto são consequências do socialismo que reina Portugal há quase meio século, onde temos professores que “se sentem desprezados por uma tabela remuneratória injusta e estanque, por uma avaliação de carreira enviesada ou por uma crescente indisciplina no espaço escolar, marcada pela desvalorização do seu papel.”
 É tempo de dizer CHEGA, de defender o futuro da nossa Nação, que são os jovens Portugueses e proporcionar-lhes o Ensino que merecem. E sim, ENSINO!
 Porque por muito que os socialistas e os marxistas tentem as suas experiências sociais e doutrinações abjetas, finalmente há um partido em Portugal que com a força da FAMÍLIA defende os jovens portugueses.
 Porque a Família educa, e a Escola ensina!

Intervenção do Deputado Municipal Eduardo Alcouce

Na Assembleia Municipal de Condeixa-a-Nova de 27 de junho, o membro representante do Partido CHEGA, Eduardo Alcouce, pautou-se novamente, por uma intervenção FOCADA nos interesses das POPULAÇÕES e nas suas NECESSIDADES BÁSICAS.

Foram solicitadas informações sobre.:

a) O Porquê de ausência de saneamento básico em certas localidades;
b) Qual o motivo de não reparação e correspondente reabertura das Piscinas Municipais da Ega;
c) Questionou o PORQUÊ da NÃO CRIAÇÃO do grupo de trabalho dedicado ao acompanhamento da EDUCAÇÃO do concelho, o qual iria aumentar a qualidade educativa.
Frisou de forma bastante eloquente, que a POLÍTICA não podem ser SÓ PALAVRAS, tem que resultar em MAIS AÇÃO, em prol da qualidade de vida dos munícipes.

Conteúdo em atualização.

Prometemos ser breves !